segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Grande Concentração no Templo Sede do Belém em Santos !

                                             

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Estudo - Curiosidade Biblicas

1. Quais os livros da Bíblia que tem apenas 1 capítulo ?
R: Obadias, Filemom, II João, III João e Judas.

2. Quais os livros da Bíblia que terminam com um ponto de interrogação ?
R: Lamentações, Jonas e Naum.

3. Qual o menor livro da Bíblia ?
R: II João (possui somente 13 versículos).

4. Qual o maior livro da Bíblia ?
R: Salmos (possui 150 capítulos).

5. Qual o menor capítulo da Bíblia ?
R: Salmo 117 (possui 2 versículos).

6. Qual o maior capítulo da Bíblia ?
R: Salmo 119 (possui 176 versículos).

7. Qual o menor versículo da Bíblia ?
R: Êxodo 20-13 (possui 10 letras).

8. Qual o maior versículo da Bíblia ?
R: Ester 8-9 (possui 415 caracteres).

9. Quantas palavras a Bíblia contêm aproximadamente ?
R: 773.693 palavras.

10. Quantas letras a Bíblia contêm aproximadamente ?
R: 3.566.480 letras.

11. Quantos capítulos e quantos versículos a Bíblia possui ?
R: 1.189 capítulos e 31.102 versículos.

12. Em quais os livros da Bíblia não encontramos a palavra Deus ?
R: Ester e Cantares de Salomão.


Gênesis

13. Quem foi o primeiro bígamo citado na Bíblia e quais eram os nomes das esposas ?
R: Lameque. Ada e Zilá. Gênesis 4-19.

14. Quem foi o pai dos que habitam em tendas e possuem gado ?
R: Jabal. Gênesis 4-20.

15. Quem foi o pai de todos os que tocam harpa e flauta ?
R: Jubal. Gênesis 4-21.

16. Quem era rei e sacerdote ao mesmo tempo ?
R: Melquisedeque. Gênesis 14-18.

17. Qual é a única mulher cuja idade é mencionada na Bíblia ?
R: Sara. Gênesis 23-1.

18. Onde lemos na Bíblia de camelos se ajoelhando ?
R: Gênesis 24-11.

19. Quais os nomes dos filhos de Abraão ?
R: Zinrá, Jocsã, Medã, Midiã, Jisbaque, Sua (filhos de Quetura), Isaque (filho de Sara) e Ismael (filho de Hagar). Gênesis 25-2,9.


Êxodo

20. Qual a mãe que recebeu um salário para criar o seu próprio filho ?
R: Joquebede, mãe de Moisés. Êxodo 2-8,9,10.

21. Qual o nome do homem acusado por sua esposa de derramar sangue ?
R: Moisés. Êxodo 4-24,25.

22. Qual o sobrinho que se casou com a sua tia ?
R: Anrão, pai de Moisés. Êxodo 6-20.

23. Onde se lê na Bíblia que as águas, por serem amargas, não serviam para consumo, porém tornaram-se doces depois ?
R: Êxodo 15-23,24,25.

24. Onde se encontra a lei, por meio da qual um escravo ganhava liberdade por perder um dente ?
R: Êxodo 21-27.

25. Onde se lê na Bíblia que os israelitas foram advertidos para obedecerem a um Anjo ?
R: Êxodo 23-20,21.

Números

26. Qual o rei teve os seus inimigos abençoados pelo profeta que ele tinha chamado para os amaldiçoar ?
R: Balaque, rei de Moabe. Números 22-5,6,12 + Números 23-11,12.

27. Qual o cavaleiro que teve o seu pé imprensado contra o muro?
R: Balaão. Números 22-25.

Deuteronômio

28. Onde se lê na Bíblia sobre a conservação da natureza ?
R: Deuteronômio 20-19.

29. Quais os alimentos que o povo de Israel não comeu durante os 40 anos de peregrinação pelo deserto ?
R: Pão e vinho. Deuteronômio 29-5,6.

30. Quais as 4 cidades mencionadas na Bíblia destruídas por causa da ira de Deus ?
R: Sodoma, Gomorra, Admá e Zeboim. Deuteronômio 29-23.

31. Quem foi sepultado por Deus em um vale ?
R: Moisés. Deuteronômio 34-5,6.

Josué

32. Que homem, citado na Bíblia, era o mais alto no meio do seu povo (que era formado por gigantes) ?
R: Arba. Josué 14-15.

33. Onde se lê na Bíblia o nome de um estado brasileiro e de sua capital ?
R: Pará – Josué 18-23 e Belém – Josué 19-15.

Juízes

34. Que rei reconheceu que Deus fez com ele o mesmo que ele tinha feito aos seus inimigos ?
R: Adoni-Bezeque, rei de Bezeque. Juízes 1-6,7.

35. Qual o rei citado na Bíblia pelo seu peso ?
R: Eglom, rei dos moabitas. Juízes 3-17.

36. Qual o juiz de Israel que libertou o seu povo, usando um ferrão de tocar bois ?
R: Sangar. Juízes 3-31.

37. Qual o comandante de Israel que disse que só iria à batalha se uma mulher fosse com ele ?
R: Baraque. Juízes 4-4,6,8,9.

38. Qual a mulher que acolheu o seu inimigo e depois o matou ?
R: Jael. Juízes 4-18,21.

39. Qual a mãe que aguardava ansiosamente seu filho, olhando pela janela ?
R: Mãe de Sísera. Juízes 5-28.

40. Qual o filho de um juiz de Israel que, depois da morte do seu pai, se declarou rei junto a seus irmãos e depois os matou ?
R: Abimeleque. Juízes 9-1,2,3,4,5,6.

41. Qual o juiz de Israel tinha 30 filhos, que cavalgavam 30 jumentas e tinham 30 cidades ?
R: Jair. Juízes 10-4.

42. Que personagem bíblico prometeu sacrificar ao Senhor a 1ª pessoa que visse ao voltar vitorioso da batalha e quem foi sacrificado ?
R: Jefté. Sua filha. Juízes 11-30,31,32,34,35,39,40.

43. Qual o homem que, depois de morto, matou mais pessoas que em sua vida ?
R: Sansão. Juízes 16-30.

Rute

44. Qual era o nome da bisavó de Davi ?
R: Rute. Rute 4-13,16,17.

I Samuel

45. Qual o juiz que morreu após cair da cadeira para trás ?
R: Eli. I Samuel 4-18.

46. Que mulher que, ao saber que a Arca do Senhor tinha sido tomada e de que seu marido e seu sogro tinham morrido, teve um parto prematuro e, depois, morreu ?
R: A mulher de Finéias. I Samuel 4-19,20.

47. Que povo foi derrotado na batalha por causa dos trovões ?
R: Os filisteus. I Samuel 7-10.

48. Quem ganhou um reino quando procurava as jumentas do seu pai ?
R: Saul. I Samuel 9-2,3,17.

49. Qual o homem que, engatinhando, venceu uma batalha e contra que povo ele estava guerreando ?
R: Jônatas, filho do rei Saul. Filisteus. I Samuel 14-13,14.

50. Onde se menciona o queijo na Bíblia pela 1ª vez ?
R: I Samuel 17-18.

II Samuel

51. Quem foi condenado à morte por ter matado um rei de Israel ?
R: Um moço amalequita. II Samuel 1-1 a 16.

52. Quais os 2 irmãos que, depois de mortos, tiveram suas mãos e pés decepados ?
R: Recabe e Baaná. II Samuel 4-8,9,10,11,12.

53. Que homem israelita era celebrado por sua beleza ?
R: Absalão. II Samuel 14-25.

54. Quem cortava os cabelos no fim de cada ano, pois os mesmos muito lhe pesavam ?
R: Absalão. II Samuel 14-25,26.

55. Qual o nome do amigo do rei Davi, que disse que estaria a seu lado em qualquer situação ?
R: Itai. II Samuel 15-21.

56. Quais os 2 homens que, ajudados por uma mulher, se esconderam em um poço, conseguindo, assim, enganar os seus inimigos ?
R: Jônatas e Aimaás. II Samuel 17-17,18,19,20,21.

57. Quem foi o 1º homem, citado na Bíblia, que se enforcou ?
R: Aitofel. II Samuel 17-23.

58. Quem matou o irmão quando o beijava ?
R: Joabe. II Samuel 20-9,10.

59. Quem matou um gigante que tinha 6 dedos em cada mão e em cada pé ?
R: Jônatas, irmão de Davi. II Samuel 21-20,21.

60. Quais os 3 melhores guerreiros do exército do rei Davi ?
R: Josebe-Bassebete, Eleazar e Samá. II Samuel 23-8,9,10,11,12.

I Reis

61. Qual o personagem bíblico que morreu por ir em busca dos seus escravos fugitivos ?
R: Simei. I Reis 2-40,42,46.

62. Quantos provérbios escreveu Salomão ?
R: Três mil. I Reis 4-32.

63. Quantos cânticos Salomão compôs ?
R: Mil e cinco. I Reis 4-32.

64. Por que o rei Davi não pôde construir um Templo para Deus ?
R: Por causa das muitas guerras que ele teve de enfrentar contra os seus inimigos. I Reis 5-3.

65. De onde foi tirada a madeira para a construção do 1º Templo de Jerusalém ?
R: Do Líbano. I Reis 5-6.

66. Quais os reis que praticaram comércio marítimo entre os seus reinos ?
R: Hirão, rei de Tiro e Salomão, rei de Israel. I Reis 9-27.

67. Quantas vezes Deus apareceu a Salomão ?
R: Duas vezes. I Reis 11-9.

68. Qual o nome do rei de Israel cujo filho morreu quando sua mãe entrou em casa ?
R: Jeroboão. I Reis 14-1,2,17.

69. Qual o rei de Israel que morreu queimado em seu próprio castelo ?
R: Zinri. I Reis 16-18.

II Reis

70. Onde se lê na Bíblia a morte de um grupo de rapazes por terem zombado de um servo do Senhor, chamando-o de careca ?
R: II Reis 2-23,24.

71. Quem morreu de dor de cabeça ?
R: O filho da mulher de Suném. II Reis 4-17,18,19,20.

72. Quem foi a 1ª pessoa na Bíblia que realizou o milagre da multiplicação de pães ?
R: Eliseu. II Reis 4-42,43,44.

73. Quem fez o ferro flutuar na água ?
R: Eliseu. II Reis 6-6.

74. Qual o nome que deram à serpente de bronze levantada por Moisés no deserto ?
R: Neustã.II Reis 18-4.

75. Quem, pela oração, teve sua vida aumentada por 15 anos ?
R: Rei Ezequias. II Reis 20-1,2,3,4,5,6.

76. Qual o rei que adivinhava pelas nuvens, praticava feitiçaria e queimou o seu filho em sacrifício ?
R: Manassés, rei de Judá. II Reis 21-6,11.

I Crônicas
77. Por que Rubens, o filho mais velho de Jacó, perdeu a sua primogenitura ?
R: Por ter profanado o leito do seu pai. I Crônicas 5-1.

78. Qual o nome da mulher fundadora de duas cidades ?
R: Seerá. I Crônicas 7-24.

79. Por que o rei Saul morreu ?
R: Por causa da sua transgressão contra o Senhor, por não ter guardado a Palavra do Senhor e por ter consultado uma necromante. I Crônicas 10-13,14.

80. Quem perdeu a vida por ter tocado na arca de Deus ?
R: Uzá. I Crônicas 13-9,10.

81. Quem recebeu a visita de um anjo quando debulhava trigo ?
R: Ornã. I Crônicas 21-20.

82. Qual homem que, além de profetizar, regia os seus 6 filhos com harpas em ações de graças e louvores ao Senhor ?
R: Jedutum. I Crônicas 25-3.

II Crônicas

83. Quais as 3 festas anuais que a Lei Mosaica estabelecia e o rei Salomão obedecia ?
R: Festa dos Pães Asmos, Festa das Semanas (Pentecostes) e Festa dos Tabernáculos. II Crônicas 8-13.

84. Qual o profeta que foi esbofetiado ?
R: Micaías. II Crônicas 18-23,24.

Esdras

85. Onde se lê que o barulho do choro não era ouvido, porque os gritos de alegria eram maiores ?
R: Esdras 3-12,13.

Ester

86. Quais os nomes dos 3 reis citados na Bíblia, que tiveram insônia ?
R: Assuero, rei da Pérsia – Ester 6-1,2 ; Nabucodonosor, rei da Babilônia – Daniel 2-1 e Dario, rei da Pérsia – Daniel 6-18.

87. Quem morreu pelo instrumento que pretendia matar seu inimigo ?
R: Hamã. Ester 7-10.



88. Qual o nome do servo de Deus que teve seus filhos mortos por um tufão ?
R: Jó. Jó 1-18,19.

89. Quem chamou os médicos de mentirosos ?
R: Jó. Jó 13-4.

90. Que personagem bíblico que se vestia de justiça e era pai dos necessitados ?
R: Jó. Jó 29-14,16.

91. Qual a ave, citada na Bíblia, que trata os seus filhos como se não fossem seus ?
R: A avestruz. Jó 39-13,14,15,16.

Salmos

92. Quais os 2 salmos que são idênticos ?
R: Salmo 14 e Salmo 53.

93. Qual é o versículo que se encontra no meio da Bíblia ?
R: Salmo 118-8.

94. Onde se lê na Bíblia que as estrelas têm nomes ?
R: Salmo 147-4.

Provérbios

95. Onde se lê que o coração alegre é bom remédio ?
R: Provérbios 17-22.

Eclesiastes

96. Onde se lê que a mágoa é melhor que o riso ?
R: Eclesiastes 7-3.

Isaías

97. Qual rei que teve o seu coração agitado como árvores no bosque ?
R: Rei Acaz. Isaías 7-2.

98. Onde se lê que o lobo, o cordeiro e o leão comerão palha juntos ?
R: Isaías 65-25.

Jeremias

99. Qual a mãe animal que abandona suas crias por falta de água ?
R: Veada. Jeremias 14-4,5.

100. Que falso profeta lutou contra um profeta de Deus e morreu naquele mesmo ano por sua rebeldia contra o Senhor ?
R: Hananias. Jeremias 28-15,16,17.

101. Qual o profeta mentiroso que Deus disse que não teria mais descendentes e não veriam o bem que Ele iria fazer ?
R: Semaías. Jeremias 29-31,32.

102. Onde a Bíblia compara o coração dos valentes com o coração da mulher que está com dores de parto ?
R: Jeremias 49-22.

103. Que profeta escreveu um livro falando dos males que aconteceriam a uma determinada cidade ? Qual o nome da cidade e qual o nome do rio dessa cidade onde o livro deveria ser lançado, após sua leitura em voz alta ?
R: Jeremias. Babilônia e rio Eufrates. Jeremias 51-60,61,62,63,64.

104. Qual o nome do 1º aposentado da Bíblia ?
R: Rei Joaquim. Jeremias 52-33,34.

Ezequiel

105. Quem recebeu uma ordem de Deus de usar uma balança para fazer um penteado ?
R: Filho do homem, isto é, Ezequiel. Ezequiel 5-1.

106. Que profeta a quem Deus determinou que profetizasse contra Israel ?
R: Ezequiel. Ezequiel 21-1,2,3.

107. Onde se lê na Bíblia que o Senhor ficou a favor da Babilônia e contra o povo do Egito ?
R: Ezequiel 30-25.

Daniel

108. Qual o rei que teve suas unhas crescidas como as das aves ?
R: Nabucodonosor, rei da Babilônia. Daniel 4-33.


109. Quem perdeu o sono por causa de um jejum ?
R: Rei Dario. Daniel 6-18.

110. Que rei mandou matar um servo de Deus e depois não conseguiu comer nem dormir ?
R: Rei Dario. Daniel 6-16 a 19.

Oséias

111. Qual o povo foi comparado a uma vaca rebelde ?
R: O povo de Israel. Oséias 4-16.

112. Qual o povo que iria tremer de medo por causa de um simples bezerro ?
R: O povo de Samaria. Oséias 10-5.

113. Qual o rei que foi comparado a um pedaço de madeira na superfície da água ?
R: O rei de Samaria. Oséias 10-7.

Amós

114. De onde eram as mulheres que oprimiam pobres e induziam os seus maridos a beberem e a que animal elas foram comparadas ?
R: Basã. Vaca. Amós 4-1.

115. Quem, em visão, contemplou o Senhor com um instrumento de pedreiro na mão ?
R: Amós. Amós 7-7,8.

116. Onde lemos na Bíblia que Israel passou 3 meses sem chover ?
R: Amós 4-7.

Miquéias


117. Onde se lê que os sacerdotes ensinavam por interesse e os profetas adivinhavam por dinheiro ?
R: Miquéias 3-11.

Zacarias

118. Qual a frase que será gravada nos apetrechos dos cavalos no dia do Senhor ?
R: Santo ao Senhor. Zacarias 14-20.

Mateus

119. Quais os nomes dos 12 discípulos de Jesus ?
R: Simão Pedro, André, Tiago (filho de Zebedeu), João, Filipe, Bartolomeu, Tomé, Mateus, Tiago (filho de Alfeu), Judas Tadeu, Simão (o Zelote) e Judas Iscariotes. Mateus 10-2,3,4.

Marcos

120. Quem foi a 1ª pessoa para a qual Jesus apareceu após a sua ressurreição ?
R: Maria Madalena. Marcos 16-9.

Lucas

121. Quem ficou mudo após falar com um anjo ?
R: Zacarias. Lucas 1-18,19,20.

122. Quem disse que não morreria sem conhecer o Cristo ?
R: Simeão. Lucas 2-25,26.

123. Onde se encontram na Bíblia os 4 pontos cardeais ?
R: Lucas 13-29 e Gênesis 13-14.

124. Qual é a única pessoa de quem diz as Escrituras haver subido em uma árvore ?
R: Zaqueu. Lucas 19-4.

125. Onde se lê na Bíblia que Jesus escreveu ?
R: João 8-6,7,8.

126. Em quais idiomas foi escrito o título “Jesus Nazareno, o Rei dos Judeus”, colocado em cima da cruz de Cristo ?
R: Hebraico, latim e grego. João 19-19,20.

Atos

127. Qual acontecimento extraordinário que foi visto por todos os habitantes de Lida e Sarona ?
R: Enéias, homem que era paralítico havia oito anos, foi curado por Pedro. Atos 9-33,34,35.

128. Onde os discípulos foram chamados cristãos pela primeira vez ?
R: Em Antioquia. Atos 11-26

129. Qual o profeta que previu uma grande fome nos dias do Imperador Romano Cláudio ?
R: Ágabo. Atos 11-27,28.

130. Quais os personagens bíblicos que foram chamados por nome de planetas ? Quais os nomes dos planetas ?
R: Barnabé foi chamado de Júpiter e Paulo, de Mercúrio. Atos 14-12.

131. Quem foi a 1ª mulher convertida na Europa pelo apóstolo Paulo ?
R: Lídia. Atos 16-14.

132. Qual o profeta que através de um cinto, previu a prisão do dono do cinto?
R: Ágabo. Atos 21-10,11.

133. Quem foi professor do apóstolo Paulo ?
R: Gamaliel. Atos 22-3.

134. Onde se lê na Bíblia que mais de 40 homens juraram não comer nem beber até matar uma pessoa e quem era esta pessoa ?
R: Atos 23-12,13,14. Paulo.

135. Qual dos apóstolos foi mordido por uma cobra, porém não sofreu mal nenhum ?
R: Paulo. Atos 28-3,5.

Romanos

136. Qual o nome das 3 mulheres, mencionadas pelo apóstolo Paulo, que muito o ajudaram na causa do Senhor ?
R: Trifena, Trifosa e Pérside. Romanos 16-12.

137. Quem escreveu a carta de Paulo aos Romanos ?
R: Tércio. Romanos 16-22.

I Tessalonicenses

138. Onde se lê que não se deve apagar a luz do Espírito Santo ?
R: I Tessalonicenses 5-19.

I Timóteo

139. Quantas vezes na Bíblia é encontrada a palavra imortal ?
R: Uma vez. I Timóteo 1-17.

140. Quais os nomes dos 2 homens que o apóstolo Paulo entregou a Satanás para serem castigados ?
R: Himeneu e Alexandre. I Timóteo 1-20.

Tiago

141. Quem foi chamado de “amigo de Deus” ?
R: Abraão. Tiago 2-23.

Apocalipse

142. Na visão de Jesus glorificado que João teve, o que significavam as 7 estrelas e os 7 candeeiros ?

R:  7 candeeiros =  7 igrejas da Ásia e 7 estrelas  =  7 anjos das igrejas. Apocalipse 1-20.

143. Onde se lê que um homem recebeu ordem para não chorar ?
R: Apocalipse 5-5

144. Quais são as únicas mulheres que a Bíblia menciona sua idade ?
R: É Sara, esposa de Abraão, veja Gn.23.1 e a profetisa Ana, veja Lc.2.36,37.

145. Existem 2 livros diferentes na Bíblia que são semelhantes em seus capítulos?
R: O segundo capítulo de Esdras é semelhante ao sétimo capítulo de Neemias.

146. Existe dois Salmos iguais veja quais são:
R: O Salmo 14 é igual ao Salmo 53.

147. A Bíblia faz menção a um livro que nós não conhecemos ?
R: O livro chamado: Livro das Guerras do Senhor,Nm 21.14.

148. Qual é o nome de personagem bíblico que mais aparece na Bíblia ?
R: É o nome de Davi, e parece cerca de 1105 vezes.

149. Qual é a única mulher que a Bíblia registra seus sonhos ?
R: É A mulher de Pilatos, Mt 27.19.

150. Em quantas linguas foi escrita a Bíblia?
R: Em hebraico, aramaico e grego.

151. O que significa a palavra El Shaddai, e quantas vezes ela aparece ?
R: Significa Deus todo poderoso e ocorre 50 vezes na Bíblia sendo 31 vezes somente no livro de Jó.

152. Quantas letras, palavras, versículos e capítulos são encontrados em uma edição da Bíblia ?
R: São encontrados : 3.566.480 letras, 810.697 palavras, 31.173 versículos e 1.189 capítulos

153. Qual o versículo central da Bíblia
R: O versículo está no livro de Salmos 118.8

Estudo - Curiosidades Bíblicas

A palavra Bíblia vem do grego, através do latim, e significa: livros A Bíblia já foi traduzida por mais de 1500 línguas e dialetos.
No ano de 1250 o cardeal Caro dividiu a Bíblia em capítulos, que foram divididos em versículos no ano de 1550, por Robert Stevens.

A Bíblia inteira foi escrita num período que abrange mais de 1600 anos.

É uma obra de cerca de 40 autores, das mais variadas profissões: de humildes agricultores, pescadores até renomados reis.

O Antigo Testamento foi escrito em hebraico, com exceção de algumas passagens em Esdras, Jeremias e Daniel que foram escritas em aramaico.

O Novo Testamento foi escrito em grego.

O Codex Vaticanus é provavelmente o mais antigo exemplar da Bíblia em forma completa.

A primeira tradução completa da Bíblia para o inglês foi feita por Wycliffe, em 1380.

Martinho Lutero foi o primeiro tradutor da Bíblia para a língua do povo alemão.

Na biblioteca da Universidade de Gottingen, Alemanha, existe uma Bíblia que foi escrita em 470 folhas de palmeira.

O Livro mais antigo da Bíblia não é o Gênesis, mas Jô. Acredita-se que foi escrito por Moisés, quando esteve no deserto.

O primeiro Salmo encontra-se em II Samuel 1:19-27, uma elegia de Davi em memória de Saul e seu filho Jônatas.

A Bíblia contém 1189 capítulos e 31102 versículos.

Ester 8:9 é o maior versículo da Bíblia.

No livro de Ester e no livro de Cantares não se encontra a palavra Deus.

O Antigo Testamento termina com uma maldição, e o Novo Testamento termina com uma benção.

O último livro da Bíblia a ser escrito foi III São João.

Há 3573 promessas na Bíblia.

O livro de Isaías assemelha-se a uma pequena Bíblia: contém 66 capítulos; os primeiros 39 falam da história passada, e os 27 restantes apresentam promessas do futuro.

Dos quatro evangelistas só dois andaram com Jesus; Marcos e Lucas não foram seus discípulos.

Todos os versos do Salmo 136 terminam com o mesmo estribilho: "Porque a Sua misericórdia dura para sempre."

O profeta que veio depois de Malaquias foi João Batista.

Judas foi o único dos doze apóstolos que não era Galileu.

João era o discípulo mais jovem dos doze.

Os versículos 8, 15, 21 e 31 do Salmo 107 são iguais.

Matusalém, o homem mais velho da Bíblia, morreu antes de seu pai, Enoque, que ascendeu ao Céu.

Ló era o pai de Moabe e Bem-ami, e também o avô dos dois porque "as duas filhas de Ló conceberam do próprio pai". (Gen. 19:36-38)

42 mil pessoas perderam a sua vida por não saberem pronunciar a palavra Shiboleth. (Juízes 12:5, 6)

Adão não teve sogra.

A única idade de mulher que se menciona na Bíblia é a de Sara (Gên. 23:1)

A primeira cirurgia foi realizada por Deus, quando tirou uma costela de Adão. (Gên. 2:21,22)

Além de Jesus, Elias e Moisés foram os únicos homens que jejuaram 40 dias e 40 noites. (I Reis 19:8 e Deut. 9:9)

A arca de Noé tinha três andares. (Gên. 6:16)

O Salmo 119 é o mais longo da Bíblia, é um acróstico. Os 176 versículos acham-se divididos em 22 seções de oito versos cada uma, correspondendo a cada uma das letras do alfabeto hebraico.

Em Gate houve um homem de grande estatura, que tinha 6 dedos em cada mão e em cada pé. (II Samuel 21:20)

Elias teve o privilégio de comer uma refeição preparada por um anjo.

Existem muitos dados curiosos relativos às estatísticas bíblicas. Um dos números que mais aparece na Bíblia é o 7. Entre os Hebreus este número era considerado sagrado e símbolo da perfeição.

Noé tinha 600 anos quando terminou a arca.

O sábio Salomão deixou mais de três mil provérbios.

A operação matemática mais rendosa foi efetuada por Jesus quando multiplicou 5 pães e 2 peixes para alimentar a mais de cinco mil pessoas e ainda sobraram 12 cestos cheios.

Talento era uma moeda grega que valia o equivalente a uns mil e quinhentos dólares.

Judas vendeu a Jesus por 30 moedas de prata, equivalentes a uns 20 dólares.

Calcula-se que o presente que Naamã ofereceu a Eliseu, do qual Geazi finalmente se apropriou, equivalia a uns 48.000 dólares.

Tiago, filho de Zebedeu, foi o primeiro dos apóstolos a morrer por sua fé. Foi decapitado a espada por ordem do rei Herodes Agripa I, por volta do ano 44 de nossa era.

Paulo, o grande apóstolo dos gentios, foi decapitado em Roma por ordem do tirano Nero.

Em I Samuel 17:18, o queijo é mencionado pela primeira vez na Bíblia.

Em juízes 14:18 encontramos um dos exemplos mais antigos de enigma.

Dois reis dos Amorreus foram postos em fuga por vespões.

A última cidade mencionada na Bíblia é a cidade santa. (Apoc. 22:19)

Salmo 117 é o capítulo mais curto da Bíblia Salmo 118 é o capítulo que está no centro da Bíblia. Há 594 capítulos antes e depois do Salmo 118

O Versículo que se encontra no centro da Bíblia está em Salmo 118:8

domingo, 13 de dezembro de 2009

Estudo Bíblico

95 Teses de Lutero

Essas teses foram afixadas na porta da igreja do Castelo de Wittenberg a 1º de outubro de 1517.


01. Nosso Senhor e Mestre Jesus Cristo em dizendo "Arrependei-vos, etc.", afirmava que toda a vida dos fiéis deve ser uma ato de arrependimento.

02. Essa declaração não pode ser entendida como o sacramento da penitência (i. e., confissão e absolvição) que é administrado pelo sacerdócio.

03. Contudo, não pretende falar unicamente de arrependimento interior; pelo contrário, o arrependimento interior é vão se não produz externamente diferentes espécies de mortificação da carne.

04. Assim, permanece a penitência enquanto permanece o ódio de si (i. e., verdadeira penitência interior), a saber, o caminho reto para entrar no reino dos céus.

05. O papa não tem o desejo nem o poder de perdoar quaisquer penas, exceto aquelas que ele impôs por sua própria vontade ou segundo a vontade dos cânones.

06. O papa não tem o poder de perdoar culpa a não ser declarando ou confirmando que ela foi perdoada por Deus; ou, certamente, perdoado os casos que lhe são reservados. Se ele deixasse de observar essas limitações a culpa permaneceria.

07. Deus não perdoa a culpa de ninguém sem sujeitá-lo à humilhação sob todos os aspectos perante o sacerdote, vigário de Deus.

08. Os cânones da penitência são impostas unicamente sobre os vivos e nada deveria ser imposta aos mortos segundo eles.

09. Por isto o Espírito Santo nos beneficia através do papa, mas sempre faz exceção de seus decretos no caso da iminência da morte e da necessidade.

10. Os sacerdotes que no caso de morte reservam penas canônicas para o purgatório agem ignorante e incorretamente.

11. Esta cizânia que se refere à mudança de penas canônicas em penas no purgatório certamente foi semeada enquanto os bispos dormiam.

12. As penitências canônicas eram impostas antigamente não depois da absolvição, mas antes dela, como prova de verdadeira contrição.

13. Os moribundos pagam todas as suas dívidas por meio de sua morte e já estão mortos para as leis dos cânones, estando livres de sua jurisdição.

14. Qualquer deficiência em saúde espiritual ou e amor por parte de um homem moribundo deve trazer consigo temor, e quanto maior for a deficiência maior deverá ser o temor.

15. Esse temor e esse terror bastam por si mesmos para produzir as penas do purgatório, sem qualquer outra coisa, pois estão pouco distante do terror do desespero.

16. Com efeito, a diferença entre Inferno, Purgatório e Céu parece ser a mesma que há entre desespero, quase-desespero e confiança.

17. Parece certo que para as almas do purgatório o amor cresce na proporção em que diminui o terror.

18. Não parece estar provado, quer por argumentos quer pelas Escrituras, que essas almas estão impedidas de ganhar méritos ou de aumentar o amor.

19. Nem parece estar provado que elas estão seguras e confiantes de sua bem-aventurança, ou, pelo menos, que todas o estejam, embora possamos estar seguros disso.

20. O papa pela remissão plenária de todas as penas não quer dizer a remissão de todas as penas em sentido absoluto, mas somente das que foram impostas por ele mesmo.

21. Por isto estão em erro os pregadores de indulgências que dizem ficar um homem livre de todas as penas mediante as indulgências do papa.

22. Pois para as almas do purgatório ele não perdoa penas a que estavam obrigadas a pagar nesta vida, segundo os cânones.

23. Se é possível conceder remissão completa das penas a alguém, é certo que somente pode ser concedida ao mais perfeito; isto quer dizer, a muito poucos.

24. Daí segue-se que a maior parte do povo está sendo enganada por essas promessas indiscriminadas e liberais de libertação das penas.

25. O mesmo poder sobre o purgatório que o papa possui em geral, é possuído pelo bispo e pároco de cada dioceses ou paróquia.

26. O papa faz bem em conceder remissão às almas não pelo poder das chaves (poder que ele não possui), mas através da intercessão.

27. Os que afirmam que uma alma voa diretamente para fora (do purgatório) quando uma moeda soa na caixa das coletas, estão pregando uma invenção humana (hominem praedicant).

28. É certo que quando uma moeda soa, cresce a ganância e a avareza; mas a intercessão (suffragium) da Igreja está unicamente na vontade de Deus.

29. Quem pode saber se todas as almas do purgatório desejam ser resgatadas? (Que se pense na história contada a respeito de São Severino e São Pascoal).

30. Ninguém está seguro na verdade de sua contrição; muito menos de que se seguirá a remissão plenária.

31. Um homem que verdadeiramente compra suas indulgências é tão raro como um verdadeiro penitente, isto é, muito raro.

32. Aqueles que se julgam seguros da salvação em razão de suas cartas de perdão serão condenados para sempre juntamente com seus mestres.

33. Devemos guardar-nos particularmente daqueles que afirmam que esses perdões do papa são o dom inestimável de Deus pelo qual o homem é reconciliado com Deus.

34. Porque essas concessões de perdão só se aplicam às penitências da satisfação sacramental que foram estabelecidas pelos homens.

35. Os que ensinam que a contrição não é necessária para obter redenção ou indulgência, estão pregando doutrinas incompatíveis com o cristão.

36. Qualquer cristão que está verdadeiramente contrito tem remissão plenária tanto da pena como da culpa, que são suas dívidas, mesmo sem uma carta de perdão.

37. Qualquer cristão verdadeiro, vivo ou morto, participa de todos os benefícios de Cristo e da Igreja, que são dons de Deus, mesmo sem cartas de perdão.

38. Contudo, o perdão distribuído pelo papa não deve ser desprezado, pois - como disse - é uma declaração da remissão divina.

39. É muito difícil, mesmo para os teólogos mais sábios, dar ênfase na pregação pública simultaneamente ao benefício representado pelos indulgências e à necessidade da verdadeira con-trição.

40. Verdadeira contrição exige penitência e a aceita com amor; mas o benefício das indulgências relaxa a penitência e produz ódio a ela. Tal é pelo menos sua tendência.

41. Os perdões apostólicos devem ser pregados com cuidado para que o povo não suponha que eles são mais importantes que outros atos de amor.

42. Deve ensinar-se aos cristãos que não é intenção do papa que se considera a compra dos perdões em pé de igualdade com as obras de misericórdia.

43. Deve ensinar-se aos cristãos que dar aos pobres ou emprestar aos necessitados é melhor obra que comprar perdões.

44. Por causa das obras do amor o amor é aumentado e o homem progride no bem; enquanto que pelos perdões não há progresso na bondade mas simplesmente maior liberdade de pe-nas.

45. Deve ensinar-se aos cristãos que um homem que vê um irmão em necessidade e passa a seu lado para dar o seu dinheiro na compra dos perdões, merece não a indulgência do papa, mas a indignação de Deus.

46. Deve ensinar-se aos cristãos que - a não ser que haja grande abundância de bens - são obrigados a guardar o que é necessário para seus próprios lares e de modo algum gastar seus bens na compra de perdões.

47. Deve ensinar-se aos cristãos que a compra de perdões é matéria de livre escolha e não de mandamento.

48. Deve ensinar-se aos cristãos que, ao conceder perdões, o papa tem mais desejo (como tem mais necessidade) de oração devota em seu favor do que de dinheiro contado.

49. Deve ensinar-se aos cristãos que os perdões do papa são úteis se não se põe confiança neles, mas que são enormemente prejudiciais quando por causa deles se perde o temor de Deus.

50. Deve ensinar-se aos cristãos que, se o papa conhecesse as exações praticadas pelos pregadores de indulgências, ele preferiria que a basílica de São Pedro fosse reduzida a cinzas a construí-la com a pele, a carne e os ossos de suas ovelhas.

51. Deve ensinar-se aos cristãos que o papa - como é de seu dever - desejaria dar os seus próprios bens aos pobres homens de quem certos vendedores de perdões extorquem o dinheiro; que para este fim ele venderia - se fosse possível - a basílica de São Pedro.

52. Confiança na salvação por causa de cartas de perdões é vã, mesmo que o comissário, e até mesmo o próprio papa, empenhasse sua alma como garantia.

53. São inimigos de Cristo e do povo os que em razão da pregação das indulgências exigiam que a palavra de Deus seja silenciada em outras igrejas.

54. Comete-se uma injustiça para com a palavra de Deus se no mesmo sermão se concede tempo igual, ou mais longo, às indulgências do que a palavra de Deus.

55. A intenção do papa deve ser esta: se a concessão dos perdões - que é matéria de pouca importância - é celebrada pelo toque de um sino, como uma procissão e com uma cerimônia, então o Evangelho - que é a coisa mais importante - deve ser pregado com o acompanhamento de cem sinos, de cem procissões e de cem cerimônias.

56. Os tesouros da Igreja - de onde o papa tira as indulgências - não estão suficientemente esclarecidos nem conhecidos entre o povo de Cristo.

57. É pelo menos claro que não são tesouros temporais, porque não estão amplamente espalhados mas somente colecionados pelos numerosos vendedores de indulgências.

58. Nem são os méritos de Cristo ou dos santos, porque esses, sem o auxílio do papa, operam a graça do homem interior e a crucificação, morte e descida ao inferno do homem exterior.

59. São Lourenço disse que os pobres são os tesouros da Igreja, mas falando assim estava usando a linguagem de seu tempo.

60. Sem violências dizemos que as chaves da Igreja, dadas por mérito de Cristo, são esses tesouros.

61. Porque é claro que para a remissão das penas e a absolvição de casos (especiais) é suficiente o poder do papa.

62. O verdadeiro tesouro da Igreja é o sacrossento Evangelho da glória e da graça de Deus.

63. Mas este é merecidamente o mais odiado, visto que torna o primeiro último.

64. Por outro lado, os tesouros das indulgências são merecidamente muito populares, visto que fazem do último primeiro

65. Assim os tesouros do Evangelho são redes com que desde a Antigüidade se pescam homens de bens.

66. Os tesouros das indulgências são redes com que agora se pescam os bens dos homens.

67. As indulgências, conforme declarações dos que as pregam, são as maiores graças; mas "maiores" se deve entender como rendas que produzem.

68. Com efeito, são de pequeno valor quando comparadas com a graça de Deus e a piedade da cruz.

69. Bispos e párocos são obrigados a admitir os comissários dos perdões apostólicos com toda a reverência.

70. Mas estão mais obrigados a aplicar seus olhos e ouvidos à tarefa de tornar seguro que não pregam as invenções de sua própria imaginação em vez de comissão do papa.

71. Se qualquer um falar contra a verdade dos perdões apostólicos que sejam anátema e amaldiçoado.

72. Mas bem-aventurado é aquele que luta contra a dissoluta e desordenada pregação dos vencedores de perdões.

73. Assim como o papa justamente investe contra aqueles que de qualquer modo agem em detrimento do negócio dos perdões.

74. Tanto mais é sua intenção investir contra aqueles que, sob o pretexto dos perdões, agem em detrimento do santo amor e verdade.

75. Afirmar que os perdões papais têm tanto poder que podem absolver mesmo um homem que - para aduzir uma coisa impossível - tivesse violado a mão de Deus, é delirar como um lunático.

76. Dizemos ao contrário, que os perdões papais não podem tirar o menor dos pecados veniais no que tange à culpa.

77. Dizer que nem mesmo São Pedro e o papa, não podia dar graças maiores, é uma blasfêmia contra São Pedro e o papa.

78. Dizemos contra isto que qualquer papa, mesmo São Pedro, tem maiores graças que essas, a saber, o Evangelho, as virtudes, as graças da administração (ou da cura), etc. como em 1 Co 12.

79. É blasfêmia dizer que a cruz adornada com as armas papais tem os mesmos efeitos que a cruz de Cristo.

80. Bispos, párocos e teólogos que permitem que tal doutrina seja pregada ao povo deverão prestar contas.

81. Essa licenciosa pregação dos perdões torna difícil, mesmo a pessoas estudadas, defender a honra do papa contra a calúnia, ou pelo menos contra as perguntas capciosas dos leigos.

82. Esses perguntam: Por que o papa não esvazia o purgatório por um santíssimo ato de amor e das grandes necessidades das almas; isto não seria a mais justa das causas visto que ele resgata um número infinito de almas por causa do sórdido dinheiro dado para a edificação de uma basílica que é uma causa bem trivial?

83. Por que continuam os réquiens e os aniversários dos defuntos e ele não restitui os benefícios feitos em seu favor, ou deixa que sejam restituídos, visto que é coisa errada orar pelos re-dimidos?

84. Que misericórdia de Deus e do papa é essa de conceder a uma pessoa ímpia e hostil a certeza, por pagamento de dinheiro, de uma alma pia em amizade com Deus, enquanto não resgata por amor espontâneo uma alma que é pia e amada, estando ela em necessidade?

85. Os cânones penitenciais foram revogados de há muito e estão mortos de fato e por desuso. Por que então ainda se concedem dispensas deles por meio de indulgências em troca de di-nheiro, como se ainda estivesse em plena força?

86. As riquezas do papa hoje em dia excedem muito às dos mais ricos Crassos; não pode ele então construir uma basílica de São Pedro com seu próprio dinheiro, em vez de fazê-lo com o dinheiro dos fiéis?

87. O que o papa perdoa ou dispensa àqueles que pela perfeita contradição têm direito à remissão e dispensa plenária?

88. Não receberia a Igreja um bem muito maior se o papa fizesse cem vezes por dia o que agora faz uma única vez, isto é, distribuir essas remissões e dispensas a cada um dos fiéis?

89. Se o papa busca pelos seus perdões antes a salvação das almas do que dinheiro, por que suspende ele cartas e perdões anteriormente concedidos, visto que são igualmente eficazes?

90. Abafar esses estudos argumentos dos fiéis apelando simplesmente para a autoridade papal em vez de esclarecê-los mediante uma resposta racional, é expor a Igreja e o papa ao ridículo dos inimigos e tornar os cristãos infelizes.

91. Se os perdões fossem pregados segundo o espírito e a intenção do papa seria fácil resolver todas essas questões; antes, nem surgiriam.

92. Portanto, que se retirem todos os profetas que dizem ao povo de Cristo: "paz, paz", e não há paz.

93. E adeus a todos os profetas que dizem ao povo de Cristo: "a cruz, a cruz", e não há cruz.

94. Os cristãos devem ser exortados a esforçar-se em seguir a Cristo, sua cabeça, através de sofrimentos, mortes e infernos.

95. E que eles confiem entrar no céu antes passando por muitas tribulações do que por meio da confiança da paz.

13 De Dezembro o dia da Bíblia


Assim será a minha palavra, que sair da minha boca; ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei. (Isaías 55: 11)



O dia da Bíblia é no 2º domingo de dezembro. Por isso eu neste blog selecionei para você um conteúdo especial e super interessante acerca da Palavra de Deus.

Aqui terás a oportunidade de aprender um pouco mais e ainda deixar uma mensagem de homenagem a Bíblia no Mural.

A palavra Bíblia significa "livros", e vem do grego (língua em que foi escrito o Novo Testamento) "tà Bíblia" - ou seja, livros sagrados. O plural justifica-se, já que a Bíblia não é um livro somente, mas uma biblioteca composta de 66 livros, sendo que 39 pertencem ao Antigo Testamento e 27 ao Novo Testamento.

Mesmo após mais de 20 séculos as palavras de Deus, para glória do Seu nome, está em nossas mãos.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Lições Bíblicas Mestre Jovens e Adultos - 1º Trimestre de 2010



 Lições Bíblicas Mestre Jovens e Adultos


1º Trimestre de 2010


A cada trimestre, um reforço espiritual para aqueles que desejam edificar suas vidas na Palavra de Deus.

No 1º trimestre de 2010, estaremos estudando o tema 2ª Coríntios - "Eu, de muito boa vontade, gastarei e me deixarei gastar pelas vossas almas."


Comentarista: Pastor Elienai Cabral


SUMÁRIO DA LIÇÃO:


1- A Defesa do apostolado de Paulo


2- O Consolo de Deus em meio à aflição


3- A Glória do ministério Cristão


4- A Glória das duas alianças


5- Tesouro em vasos de barro


6- O Ministério da reconciliação


7- Paulo, um modelo de líder servidor


8- Exortação à santificação


9- O Princípio biblico da generosidade


10- A Defesa da autoridade apostólica de Paulo


11- Caraterísticas de um autêntico líder


12- Visões e revelações do Senhor


13- Solenes advertências pastorais



quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Um Estudo Sistemático de Doutrina Bíblica

O OFÍCIO DE BISPO
Os principais oficiais nas igrejas do Novo Testamento eram chamados bispos, ou anciãos, ou pastores. !Que os apelativos !bispos?, ?presbíteros? ( ou ancião) e !pastor? designam o mesmo ofício e ordem de pessoas, pode ser visto de Atos 20:28... (cf. 17...) ... Fil. 1:1; 1 Tim. 3:1,8; Tito 1:5,7; 1 Ped. 5:1,2..." (Strong). Para o mesmo efeito são as palavras de muitos outros, incluindo as de Conybeare e Howson e passagens citadas por Giessler (Church History, Vol. 1, pág. 90).

A primeira objeção plausível à identidade de bispos e anciãos foi à avançada por Calvino baseado em 1 Tim. 5:17. Mas em vez de mostrar que os termos designam dos dois ofícios, esta passagem mostra que um ofício envolvia duas espécies de trabalho: ensinar e reger ou superintender. Alguns ocupantes do ofício eram mais felizes em um do que no outro, sendo o ensino considerado como a função mais elevada do ofício. As passagens seguintes mostram que ensinar e superintender pertenciam ao mesmo individuo: Atos 20:28-31; Efe. 4:11; Heb. 13:7; 1 Tim. 3:2.

A pluralidade de anciãos ou bispos nas igrejas do Novo Testamento era incidental e não é cabível em todas as igrejas; a saber, uma pluralidade de anciãos não é essencial à existência de uma igreja nova testamentina. Foram o tamanho e a escassez das igrejas, e as grandes expansões vagas, que deram caso a pluralidade de anciãos (*).

I. QUALIFICAÇÕES DOS BISPOS
Estas qualificações estão dadas em 1 Tim. 3:1-7 e Tito 1:5-9, que são:

1. IRREPREENSIBILIDADE
Por isto não se quer dizer que o bispo deva ser moralmente perfeito. Nenhum homem na carne o é. Quer dizer que ele deve estar acima de séria censura. Este requisito está explicado e amplificado em ambas as passagens supracitadas, como segue:

A! demais, ele deve ter bom testemunho dos que estão de fora; sob pena de cair em afronta e no laço do diabo? (1 Tim. 3:7).

Porque o bispo deve ser irrepreensível, como despenseiro de Deus; não soberbo, não fácil de se irar, nem violento, nem briguento; não guloso de torpe ganância." (Tito 1:7).

Se o público não tiver uma elevada consideração pela integridade moral de um homem, ele jamais deverá ser feito bispo.

2. RELAÇÕES CONJUGAIS ADEQUADAS
Marido de uma só esposa. Isto quer dizer, sem duvida, que ele deve ser marido de só uma esposa num tempo. Não deve ter duas esposas vivas. Nem isto requer que um pregador seja casado, ainda que, em muitos casos, é melhor que fosse, nem o priva de casar outra vez se sua esposa morre.

3. VIGILANCIA, SOBRIEDADE E BOA CONDUTA
Estas são dadas juntas em 1 Tim. 3:2. São dadas na Versão Revista como significando que o bispo é para ser temperante, calmo e ordeiro. E esta versão seguinte deixa a referência a vinho. Temperança quer dizer controle próprio em tudo. Envolve abstinência total daquilo que for prejudicial ou mau.

4. HOSPITALIDADE
Hospitalidade refere-se a hospedagem dos visitantes no lar. Nos dias do Novo Testamento a hospitalidade foi !um serviço especialmente necessário... quando o viajante cristão estava exposto a dificuldades peculiares e perigos, um dever, portanto, que era muitas vezes obrigatório? (Harvey, sobre Tito). A hospitalidade talvez não seja tão urgentemente necessária hoje, mas não é nada menos bela e benéfica."

5. APTIDÃO PARA ENSINAR
Isto inclui tanto o amor para ensinar como a habilidade nele. Isto requer conhecimento e a habilidade para comunicá-lo.

6. TRANQUILIDADE
As qualidades que seguem a aptidão para ensinar são dadas na melhor tradução, como segue: !... não ralhador, não briguento senão gentil, não contencioso." O Bispo não é para por natureza ser violento e belicoso, mas um homem de um espírito gentil e perdoador, adverso a altercar e disputar. Vide 2 Tim. 2:24. Todavia ele deve contender pela fé e combater o mal.

7. AUSÊNCIA DE COBIÇA
Não deve o bispo ser amante do dinheiro, porque o amor do dinheiro é a raiz de todas as espécies de mal. Ele não deve botar o dinheiro acima do cumprimento fiel da vontade de Deus.

8. HABILIDADE DISCIPLINAR
O teste é o modo por que ele controla seus próprios filhos. A Escritura diz que se ele não pode controlar, não pode cuidar da igreja de Deus.

9. UMA EXPERIÊNCIA CRISTÃ SASONADA
O bispo não deve ser um noviço, isto é, um há pouco chegado à fé; ele deve possuir um grau considerável de maturidade Cristã.

10. ORTODOXIA NA FÉ
Para as oito qualificações precedentes seguimos a epístola a Timóteo e não procuramos enumerar tudo em ambas as epístolas, admitindo que em Timóteo temos, de um modo geral, tudo que se inclui em Tito. Mas a última estipulação em Tito desejamos observar. Reza ela como segue:

!... apegando-se à palavra fiel que é segundo o ensino, para que ele tanto possa exortar na sã doutrina como convencer aos contradizentes? (Tito 1:9).

Isto quer dizer o bispo é para ser alguém que se agarra à Palavra de Deus a despeito de toda a tentação para deixá-la.

II. OS DEVERES DO BISPO

Os deveres do bispo são como segue:

I. REGER A IGREJA
1Tim. 5:17; Heb. 13:7,17. A regência aqui, contudo, não é autocrática (1 Ped. 5:3) senão só a regra de superintendência e liderança. Em nossa consideração da igreja mostramos que a igreja é uma democracia, recebendo e excluindo membros, manejando os seus próprios negócios. E assinalamos que !anciãos regentes?, no sentido moderno, não estão autorizados por 1 Tim. 5:17.

2. ENSINAR
1 Tim. 3:2; 2 Tim. 4:2; Tito 1:9; Heb. 13:7. Este é o trabalho principal do pregador. Nada deverá ser permitido emiscuir-se nisso. Se ele falhar nisso, falhou em tudo. Tudo mais é secundário ante a obra de ensinar.

3. PASTOREAR O REBANHO
Efe. 4:11. Nesta passagem temos o bispo chamado pastor. Quer isto dizer que ele é um pegureiro. É para ele ter o mesmo interesse era o caso com o antigo pastor e suas ovelhas. É para ele alimentá-las, escudá-las contra o perigo, confortá-las na aflição e fortificá-las quando fracas.

4. ADMINISTRAR AS ORDENANÇAS
Parece, ao tratar da natureza do ofício de bispo, considerar como sua função particular a administração das ordenanças. E como antes observamos a respeito do batismo, assim podemos agora dizer tanto do batismo como da Ceia do Senhor: que não temos nenhuma indicação certa que quaisquer senão bispos jamais as administraram.
                    --------------------------------------------------------------------------------

*O bispo não é um sacerdote oficial. A palavra sacerdote no grego é inteiramente diferente das traduzidas por bispo, ancião, pastor. As igrejas do Novo Testamento não tinham sacerdotes oficiais. Todos os crentes são sacerdotes. Vide 1 Ped. 2:5,9; Apoc. 5:10. Eis aqui a lastimável fraca tentativa uma vez feita por um católico em evidência para justificar o sacerdócio: - !A própria palavra !sacerdote? em nossa língua deriva-se da do Novo Testamento !presbuterous??. Esta faz presbítero, sacerdote, padre. Isto é indicação suficiente do ofício e prova que o sacerdócio católico é escriturístico."

A DOUTRINA DA TRINDADE

I. A TRINDADE DEFINIDA Talvez o sentido da Trindade de Deus nunca foi afirmado melhor do que está por A. H. Strong ! "em a natureza do Deus único há três distinções eternas que se nos representam sob a figura de pessoas e estas três são iguais" (Systematic Theology, pág. 144).

Os princípios do Seminário Teológico Batista do Sul estabelecem a doutrina da Trindade como segue: "Deus nos é revelado como Pai, Filho e Espírito Santo, cada um com atributos pessoais distintos, mas sem divisões de natureza, essência ou ser".

Na consideração destas definições, notai:

1. A TRINDADE CONSISTE DE TRÊS DISTINÇÕES.
A doutrina da Trindade não quer dizer que Deus meramente Se manifesta em três diferentes maneiras. Há três distinções atuais na Divindade. A verdade disto aparecerá mais claramente depois.

2. ESTAS TRÊS DISTINÇÕES SÃO ETERNAS.
Isto está provado, de um lado, pela imutabilidade de Deus. Se já houve um tempo em que estas distinções não existiram, então, quando vieram a existir, Deus mudou. Provado está outra vez pelas Escrituras, as quais afirmam ou implicam a eternidade do Filho e do Espírito Santo. Vide João 1:1,2; Apocalipse 22:13,14; Hebreus 9:14.

"Não é resposta a isto, que as expressões "gerado" e "procedido de" envolvem, a idéia da existência antecedente do que gera e de quem há processão, porque estes são termos da linguagem humana aplicados a ações divinas e devem ser entendidos ajustadamente a Deus. Não há aqui dificuldade maior do que em outros casos em que este princípio está prontamente reconhecido (Boyce, Abstract of Systematic Theology, págs. 138, 139).

3. ESTAS TRÊS DISTINÇÕES NOS SÃO REPRESENTADAS SOB A FIGURA DE PESSOAS, MAS NÃO HÁ DIVISÃO DE NATUREZA, ESSENCIA OU SER.

A Doutrina da Trindade não quer dizer triteismo. Quando falamos das distinções da Divindade como pessoas, devemos entender que usamos o termo figuradamente. Não há três pessoas na Divindade no mesmo sentido em que três seres humanos são pessoas. No caso de três seres humanos há divisão de natureza, essência e ser, mas Deus não é assim. Tal concepção de Deus está proibida pelo ensino da Escritura quanto à unidade de Deus.

4. OS TRÊS MEMBROS DA TRINDADE SÃO IGUAIS.
Muitos dos mesmos atributos atribuem-se a cada membro da Trindade e os atributos assim atribuídos são tais como não podiam ser possuídos sem todos os outros atributos divinos. A igualdade dos membros da Trindade mostra-se ainda pelo fato de cada um deles ser reconhecido como Deus, como veremos depois.

II. PROVAS ESCRITURISTICAS DA DOUTRINA DA TRINDADE.
1. O PAI, O FILHO E O ESPÍRITO SANTO SÃO TODOS RECONHECIDOS COMO DEUS.

(1)  O Pai Reconhecido como Deus.
Isto ocorre em tão grande número de passagens que é por igual desnecessário e impraticável citá-las todas. As duas seguintes bastarão:

"Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem vos dará; porque a este selou o Pai, Deus" (João 6:27).

"Eleitos... segundo a presciência de Deus o Pai" (1 Pedro 1:1,2).

(2)  O Filho Reconhecido como Deus.

A. Ele é chamado Deus.
João 1:1; Romanos 9:5; 1 João 5:20.

B. Passagens que no Velho Testamento se referem a Deus são aplicadas ao Filho em o Novo Testamento.
Mateus 3:3, aludindo a Isaías 40:3; João 12:41 aludindo a Isaías 6:1.

C. O Filho possui os atributos de Deus.
Eternidade: João 1:1; Onipresença: Mateus 28:20 e Efésios 1:23; Onisciência: Mateus 9:4 e João 2:24,25 e João 16:30 e 1 Coríntios 4:5 e Colossenses 2:3; Onipotência: Mateus 28:18 e Apocalipse 1:8; Auto-existência: João 5:26; Imutabilidade: Hebreus 13:8; Verdade: João 14:6; Amor: 1 João 3:16; Santidade: Lucas 1:35 e João 6:39; Hebreus 7:26.

D. As obras de Deus são atribuídas ao Filho.
Criação: João 1:3; 1 Coríntios 8:6; Colossenses 1:16; Hebreus 1:10. Conservação: Colossenses 1:17; Hebreus 1:3. Ressuscitando os mortos e julgando: João 5:27-28; Mateus 25:31,32.

E. Ele recebe honra e adoração só a Deus devidas.
João 5:23; Hebreus 1:6; 1 Coríntios 11:24,25; 2 Pedro 3:18; 2 Timóteo 4:18.



(3) O Espírito Santo é reconhecido como Deus.

A. A Ele se atribuem os atributos de Deus.
Eternidade: Hebreus 9:14; Onisciência: 1 Coríntios 2:10; Onipresença: Salmos 139:7; Santidade: todas as passagens que aplicam o termo "santo" ao Espírito; Verdade: João 16:13; Amor: Romanos 15:30.

B. Ele está representado como fazendo as obras de Deus.
Criação: Gênesis 1:2; "movia" significa "chocava". Regeneração: João 3:8; Tito 3:5. Ressurreição: Romanos 8:11.

2. O PAI, O FILHO E O ESPÍRITO SANTO ASSOCIAM-SE JUNTAMENTE NUMA BASE IGUAL.

Isto está feito. !

(1) Na formula do Batismo. Mateus 28:19

(2) Na Benção Apostólica. 2 Coríntios 13:14.

3. O PAI, O FILHO E O ESPÍRITO SANTO DISTINGUEM-SE UM DO OUTRO.

(1) O Pai e o Filho distinguem-se um do outro.
O Pai e o Filho distinguem-se como o que gera do gerado; e como o que manda do enviado. Cristo distinguiu-se do Pai quando orou ao Pai, como fez muitas vezes. Que a distinção assim implicada não foi temporal, continuando somente enquanto Cristo esteve na carne, está provado pelo fato que Cristo ainda intercede com o Pai (Hebreus 7:25; 1 João 2:1). Ele é um mediador perpétuo entre Deus e o homem (1 Timóteo 2:5) e assim é perpetuamente distinguido de Deus.

(2) O Espírito distingue-se do Pai.
O Espírito distingue-se do Pai quando dEle se diz proceder do Pai e ser enviado pelo Pai (João 15:26; 14:26; Gálatas 4:6).

(3) O Filho distingue-se do Espírito.
Jesus está referindo ao Espírito como "um outro Confortador" (João 14:16). E Jesus falou de Si mesmo como enviando o Espírito (João 15:26).

4. O PAI, O FILHO E O ESPÍRITO SANTO SÃO UM DEUS.
Trindade quer dizer tri-unidade, ou três-unidade. Mostramos que há três distinções na Divindade. Agora, para provarmos a doutrina da Trindade, mais que a doutrina de Triteismo, devemos mostrar que os três, enquanto sendo distinguíveis um do outro, contudo são um. Isto está provado:

(1) Por todas as passagens que ensinam a Unidade de Deus.
O estudante refere-se aqui ao capítulo sobre a natureza e os atributos de Deus, onde se notam estas passagens.

(2) Pelo fato que cada um dos três é reconhecido como Deus.
Já mostramos que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são várias vezes reconhecidos como Deus na Escritura. Isto mostra Sua unidade, porque Deus está representado como sendo o Ser Supremo. Por essa razão não podia haver três Deuses. A supremacia só é possível a um só.

(3) Pelo fato que os Três são iguais.
Já discutimos a igualdade dos membros da Trindade. Igualdade absoluta é impossível sem identidade na essência, em a natureza e no ser.

III. A DOUTRINA DA TRINDADE É MISTÉRIO INSCRUTAVEL E INSOLUVEL AS MENTES FINITAS; MAS NÃO É AUTO-CONTRADITORIA.
Não fazemos tentativas de negar ou de explicar o mistério da doutrina da Trindade. Alto mistério é que mentes humanas nunca podem sondar.

Contudo, a doutrina da Trindade não é autocontraditória. Deus não é três no mesmo sentido em que Ele é um. Ele é um em essência, natureza e ser; mas, nesta uma essência, natureza e ser há três distinções eternas que se nos representam de uma tal maneira que as chamamos pessoas. Quem pôde dizer que tais distinções são impossíveis em a natureza de Deus? Para fazer isso ter-se-ia de ter perfeito entendimento da natureza de Deus. De maneira que fazemos bem de aceitar o que a Escritura ensina e deixar o mistério para solucionar-se quando tivermos mais luzes, se semelhante luz que nos habilite a explicar e entender nos for sempre dada. O mistério vem por causa de nossa inabilidade para compreendermos totalmente a natureza de Deus.

Estudo Doutrina do Espirito Santo

O ESPÍRITO SANTO
"Há muita confusão e erro correntes neste dia a respeito da personalidade, operações e manifestações do Espírito Santo. Eruditos conscientes mas extraviados têm sustentado idéias errôneas sobre esta doutrina. É vital a fé de todo cristão que o ensino escriturístico dela seja visto na sua verdadeira luz e sustentada nas suas corretas proporções" (Bancroft, Elemental Theology).

I. A PERSONALIDADE DO ESPÍRITO SANTO
"Ao atribuir personalidade ao Espírito pensamos que Ele não é uma energia impessoal, uma abstração, uma influencia, ou emanação. Ele é uma inteligência auto-cônscia, autodeterminada, voluntária, sensiente. Pode-se dizer que a personalidade existe onde se encontrem unidas numa combinação singular inteligência, emoção a volição, ou senso comum e autodeterminação" (Bancroft, Elemental Theology).
Que o Espírito é uma pessoa, está provado:

1. A MENÇÃO DELE JUNTAMENTE COM OUTROS MEMBROS DA TRINDADE.
Mateus 28:19; 2 Coríntios 13:14

2. SUA ASSOCIAÇÃO COM OUTRAS PESSOAS EM PARENTESCO PESSOAL.
Atos 15:28

3. A ATRIBUIÇÃO A ELE DE EMOÇÃO E VOLIÇÃO.
1 Coríntios 12:11; Efésios 4:30

4. ATRIBUIÇÃO A ELE DE ATOS PESSOAIS.
(1) Ele sonda as coisas profundas de Deus.

1 Coríntios 2:10

(2) Ele fala.
Mat 10:20; Atos 10:19,20; 13:2; Apocalipse 2:7. Vide também passagens sob a inspiração em que se diz que o Espírito falou pelos profetas e outros escritores da Escritura.

(3) Ele ensina.
Lucas 12:12; João 14:26; 1 Coríntios 2:13

(4) Ele conduz e guia.
João 16:13; Romanos 8:14

(5) Ele intercede.
Romanos 8:26

(6) Ele dispensa dons.
1 Coríntios 12:7-11

(7) Ele chama homens para o serviço.
Atos 13:2; 20:28

5. A REPRESENTAÇÃO DELE COMO SENDO AFETADO COMO UMA PESSOA PELOS ATOS DE OUTREM.

(1) Ele pode ser rebelado contra, incomodado e entristecido.
Isaías 63:10; Efésios 4:30

(2) Ele pode ser blasfemado.
Mateus 12:31

(3) Ele pode ser mentido (enganado).
Atos 5:3

6. O USO DO PRONOME MASCULINO EM REFERENCIA A ELE.
Em João 16:13, só o pronome masculino se aplica ao Espírito sete vezes. É isto muito significativo desde que a palavra grega correspondente a "espírito" (pneuma) é neutra. Vemos assim que a idéia da personalidade do Espírito é tão forte que na passagem supra ela tem precedência sobre a ordem gramatical. Em Romanos 8:16,26, numa construção mais próxima, prevalece a ordem gramatical, mas isto não anula a significação de na outra passagem arredar-se a ordem gramatical.

7. A APLICAÇÃO DO NOME MASCULINO "PARAKLETOS" AO ESPÍRITO.
"O nome "parakletos"... não pode ... ser traduzido por "conforto", ou ser tomado como nome de qualquer influencia abstrata. O Confortador, Instrutor, Protetor, Guia, Advogado, que este termo traz perante nós, deve ser uma pessoa" (Strong, Systematic Theology).

"Parakletos" é a palavra grega para "Consolador" em João 14:26; 15:26; 16:7.

II. A RELAÇÃO DE PENTECOSTES COM O ESPÍRITO SANTO
1. ESPÍRITO SANTO JÁ EXISTIA ANTES DO PENTECOSTES.
Gênesis 1:2; Neemias 9:20; Salmos 51:11; Isaías 63:10; 2 Pedro 1:21. Temos visto que o Espírito Santo, como um membro da Trindade, é co-eterno com o Pai.

2. ELE TEVE ACESSO À TERRA E OPEROU NO HOMEM ANTES DO PENTECOSTES.
Vide todas as passagens imediatamente antes que seguem a primeira passagem.

3. ELE VEIO NO DIA DE PENTECOSTES NUMA CAPACIDADE ESPECIAL.
Isto explica os significados da promessa de Cristo de mandar o Espírito. Esta capacidade especial foi:

(1) Talvez como o antítipo da Shequína.
Números 9:15-22; 2 Crônicas 7:1-3. A Shequína, no caso de tabernáculo, foi para liderança e, no caso do templo foi um símbolo de propriedade e possessão. A vinda do Espírito Santo no Pentecostes significou ambas as coisas à igreja.

(2) Em cumprimento de profecia e promessa.
Joel 2:28; Mateus 3:11. Não sustentamos, todavia, que o dia de Pentecostes marcou o cumprimento completo e ultimado da profecia de Joel. Este dia viu somente um cumprimento parcial e espiritual dessa profecia. Efetivamente, as palavras de Pedro precisam ser entendidas como significando não mais além que a coisa ora testemunhada nesse dia era a mesma em espécie como aquela da qual Joel predissera. O cumprimento literal, ultimado e completo de Joel 2:28-32 virá com a conversão da nação judaica na segunda vinda de Cristo. Vide Zacarias 12:9-11; 13:8,9; Romanos 11:26.

(3) Autorizar a igreja.
Atos 1:4,8

(4) Como o consolador residente e mestre dos crentes.
João 14:16,17; 1 João 2:20,27. Antes do Pentecostes, como indicado supra, o Espírito Santo teve acesso à terra, mas Ele veio e foi; não morou nos crentes constantemente. Durante a dispensação do Velho Testamento o Espírito Santo veio até mesmo sobre ímpios, tais como Balaão e o rei Saul. E Ele inspirou os escritores da Escritura. Também regenerou homens; mas uma união inseparável entre a alma do crente e o Espírito Santo não se formou então como acontece agora sob a presente dispensação. É a esta união indissolúvel entre a alma do crente e o Espírito Santo que o escritor aos Hebreus se refere quando ele fala de escrever a Lei de Deus no coração do crente. Vide Hebreus 8:10. O fato de o Espírito Santo não morar constante e inseparavelmente nos crentes antes do Pentecostes explica porque Davi orou: "Não tires o Teu Espírito Santo de mim" (Salmos 51:11). O pecado podia então afugentá-lo do peito, porquanto o Seu presente era transiente. Mas, não assim agora, como mais tarde veremos mais claramente; e essa oração é totalmente inadequada ao crente nesta dispensação.

(5) Para convencer o mundo do pecado, da justiça e do juízo.
João 16:8-11. Sustentamos esta passagem como se referindo primariamente a uma obra indireta do Espírito, porque a diferença entre a obra direta e indireta do Espírito é para se ver mais tarde sob o exame do Seu trabalho nos perdidos.

4. SUA VINDA NO PENTECOSTES FOI DISPENSACIONAL E FINAL.
Não há absolutamente nada que justifique a crença que o Pentecostes é para repetir-se na experiência de cada crente. Ele veio em cumprimento de profecia e promessa definitas e particulares, marcou o princípio de uma dispensação especial do Espírito. O pentecostalismo é disparate dos mais absurdos. Podia alguém com a mesma razão falar de uma repetição da ressurreição e ascensão de Cristo como de uma repetição do Pentecostes, que nunca se repetiu e nunca se repetirá. A ocorrência na casa de Cornélio foi meramente suplementada ao Pentecostes (Atos 10:44-47) e aconteceu para que Pedro pudesse saber que os crentes gentios foram recebidos por Deus no mesmo nível como os crentes judeus.

5. DESDE O PENTECOSTES O ESPÍRITO SANTO ENTRA EM TODO O CRENTE NA CONVERSÃO E JAMAIS PARTE.
João 7:38,39; Atos 10:1; Romanos 8:9; Gálatas 3:2; 4:6; Efésios 1:13; 4:30; Judas 19. É loucura o crente orar pelo Espírito Santo, ainda que possa orar pelo Seu poder e plenitude. Tão pouco precisa o crente orar para que Deus não lhe tire o Espírito Santo; porque, ainda que o crente possa entristecer e apagar o Espírito (1 Tessalonicenses 5:19) ! recusar Seus impulsos, o crente, não obstante, está permanentemente selado pela presença do Espírito (Efésios 1:13; 4:30).

6. O CRENTE, PORTANTO, NÃO DEVERÁ BUSCAR NEM A PRESENÇA NEM O BATISMO DO ESPÍRITO, MAS SUA PLENITUDE.
Efésios 5:18. Mostramos que cada crente tem o Espírito. Agora só resta ser observado que não há na Escritura garantia para afirmar-se um batismo do Espírito hoje tanto na regeneração como depois dela. A Escritura está calada sobre a noção de um batismo do Espírito para este tempo. A passagem costumeiramente referida para substanciar um batismo do Espírito na regeneração refere-se ao batismo na água. Vide seu exame sob batismo na água.

O crente tem tudo do Espírito Santo, mas o Espírito comumente não tem tudo do crente. Sua presença é expansiva: Ele enche tanto do crente do que estiver vazio de egoísmo e pecado. Assim, a exortação para encher-se do Espírito é uma exortação de completa rendição a Ele. Quanto mais Ele nos enche, maior será a manifestação do Seu poder em nossas vidas (Atos 6:3-5; 11:24).

III. A OBRA DO ESPÍRITO SANTO
1. SUA OBRA EM GERAL.

(1) Ele foi o agente de Deus na criação.
Gênesis 1:2

(2) Ele inspirou os escritores da Escritura.
2 Pedro 1:21. Vide outras passagens sob a discussão da inspiração verbal.

(3) Ele é, em geral, o agente de Deus em todas as obras de Deus.
Jó 33:4; Salmos 104:29,30; Isaías 40:7; Lucas 1:35; Atos 10:38.

2. SUA OBRA NOS PERDIDOS.

(1) Sua obra indireta nos perdidos.

Por obra indireta do Espírito nos perdidos queremos dizer tal obra como a que Ele executa mediatamente através da Palavra e não imediatamente por impacto pessoal sobre a alma. Qualquer obra produzida pela Palavra é uma obra do Espírito, porquanto Ele é o autor da Palavra. Está isto provado em Atos 7:51,52, onde resistência à palavra falada pelos profetas é dita como resistindo ao Espírito Santo.

Na obra indireta do Espírito nos perdidos Ele:

A. Luta com Eles.
Gênesis 6:3. Esta luta se faz por meio de homens, tais como Enoque e Noé, na pregação da Palavra.

B. Ele os convence do pecado, da justiça e do juízo.
João 16:8-11. A presença e as operações do Espírito no mundo, como um que veio tomar o lugar e levar adiante a obra de um rejeitado e crucificado Cristo, constitue um convencimento potencial do pecado. Tivesse Cristo sido um impostor, Sua promessa do Espírito não se teria cumprido. É como se a alma (espírito) de um homem voltasse a rondar seus assassinos e prosseguir a obra que eles tão vãmente tentaram acabar. Tal tenderia a convencer os assassinos de sua culpa e testemunhar da justiça do homem que mataram. Assim é com o Espírito Santo: O Espírito de Cristo (Romanos 8:9; Gálatas 4:6). E assim é que o Espírito Santo dá prova da justiça de Cristo, por manifestar que Ele foi para o Pai e por manifestar que Ele assim se vê ter triunfado sobre Satanás, o qual buscou por todos os meios impedir o propósito de Deus por meio de Cristo. Por este meio Ele convence os homens do pecado de rejeitarem a Cristo e da certeza do juízo a todos que permanecem ligados ao Diabo, porque Satanás já está julgado (João 12:31). "Este juízo de Satanás foi alcançado na Cruz e Satanás foi feito potencialmente impotente" (Bancroft).

Note-se que o Espírito Santo, na Sua obra de convencer ou convicção, "convicta, não primariamente do pecado de transgressão, mas do pecado de incredulidade, !do pecado, porque não crêem em mim?. Atos 2:36-37. Como todo pecado tem sua raiz na incredulidade, assim a forma mais agravada de incredulidade é a rejeição de Cristo. O Espírito, contudo, ao prender esta verdade sobre a consciência, não extingue, mas, pelo contrário, consuma e intensifica o senso de todos os demais pecados." (Bancroft, Elemental Theology).

Chamamos especial atenção para esta última sentença acima. Muitos entenderiam que a incredulidade é o único pecado danoso. Muitos mesmo diriam que isto é tudo por que os homens sofrerão no inferno. Semelhante noção está abundantemente contraditada pela Bíblia. Vide Romanos 2:5,6; 7:7-11; Gálatas 3:10,24; 1 João 3:4; Apocalipse 20:12. O Espírito não convence meramente do pecado de incredulidade, mas do pecado por causa da incredulidade. Isto é, Ele mostra aos homens sua condição pecaminosa por fazê-los ver que estão rejeitando ao Cristo de Deus, mostrando assim rebelião contra Deus. A incredulidade é o principal sintoma da doença do pecado, cuja essência é a anarquia.

A obra indireta do Espírito não só pode ser resistida, mas é resistida constantemente pelos pecadores. Os pecadores nada mais fazem que resistir ao Espírito até que o Espírito, por impacto direto e pessoal sobre a alma, vivifica o pecador cadáver á vista. Isto, como já indicado, explica Atos 7:51,52.

(2). Sua obra direta nos perdidos.
Referimo-nos aqui à regeneração. A regeneração é instantânea. Não pode ser doutra maneira, por não ser possível um homem estar em parte vivo e em parte morto sob um ponto de vista espiritual. É por essa razão que colocamos a convicção antes da regeneração. Os pecadores evidenciam vários graus de convicção através de períodos de extensão variável. É só no momento de regeneração, sem duvida, que a convicção alcança a intensidade mais elevada. A obra indireta do Espírito na convicção é trazida a cumprimento instantâneo no momento em que a alma cadáver é vivificada à vida. Mas a convicção existe antes da vivificação. Vide Paulo na sua experiência, Atos 26:14. Vide também e compare Atos 2:37. Notai que na parábola dos ossos secos no vale (Ezequiel 37:1-10) houve um efeito produzido pela pregação antes de Espírito (simbolizado pelo fôlego) vir sobre eles. Isto ilustra a obra indireta do Espírito na convicção antes da vivificação.

A obra direta do Espírito na regeneração é irresistível. Não quer isto dizer que o Espírito viole a vontade: Ele simplesmente opera posto-vontade. A regeneração tem lugar na "região da alma sob senso comum" (Strong). É o meio pelo qual nossas vontades se conformam à de Deus rigorosamente segundo as leis da vontade e sua ação. Vide o capítulo sobre a livre agencia do homem. A regeneração é irresistível porque é uma obra de Deus e não depende da vontade de homens (João 1:12,13). É na regeneração que Deus habilita os homens a virem a Cristo (João 6:65). É assim que ele entrega os seus eleitos a Cristo (João 6:37). A regeneração é a atração a que se refere em João 6:44,45, na sua consumação. O homem nada pode fazer agradável a Deus enquanto estiver espiritualmente morto, estando na carne (Romanos 8:7,8). Mas, quando vivificado à vida, ele está certo de agir em harmonia geral com a vontade de Deus (1 João 5:4; 3:9). Assim a regeneração é necessariamente irresistível.

3. SUA OBRA NOS SALVOS.
Já vimos que o Espírito habita em todo o crente. Esta moradia é para a realização de uma obra nos crentes. A obra consiste de:

(1) Dar garantia de salvação.
Romanos 8:16; 2 Coríntios 1:22; Efésios 1:14. O Espírito não só testemunha aos crentes da filiação atual, mas da garantia de salvação final. É neste ultimo sentido que a obra do Espírito é um "penhor", que quer dizer "hipoteca, uma parte do preço de compra adiantada como garantia de que a transação será completada". A presença do Espírito em nossos corações proporciona-nos uma prelibação do céu e é uma garantia de recebermos a herança "incorruptível e impoluta, que não fenece, reservada no céu" para nos "que somos guardados pelo poder de Deus para a salvação, já prestes para se revelar no ultimo tempo" (1 Pedro 1:4,5).

(2) Confortando, ensinando e iluminando.
João 16:7; 1 Coríntios 2:9-12; Efésios 1:17; 1 João 2:20,27.

(3) Liderando em obediência e serviço.
Romanos 8:14; Gálatas 5:16; Atos 8:27,28.

(4) Chamando para serviço especial.
Atos 13:2,4. "O Espírito Santo não só dirige o teor geral da vida cristã, mas chama homens para trabalhos especiais, tais como missões, o ministério, ensino, etc."

"Esta passagem não nos conta como o Espírito chama homens, presumivelmente porque Ele não chama sempre homens do mesmo modo. Cabe-nos a nós estarmos prontos a ser chamado, desejá-lo e então esperar que o Espírito Santo nos chame. Ele não chama a todos para o trabalho missionário estrangeiro, ainda que todo cristão devera estar pronto a responder a esse chamado. Ele chama, contudo, todo cristão para algum campo de serviço e o conduzirá, se ceder, a esse campo especifico" (Bancroft).

(5) Distribuindo dons espirituais.
1 Coríntios 12:4-11. Notai que "a manifestação do Espírito é dada a todo o homem (Isto é, todo o homem salvo) para o que for útil" (1 Coríntios 12:7). Nenhum homem salvo pode dizer verdadeiramente, portanto, que está falto de habilidade espiritual no serviço do Senhor.

(6) Fortificando no serviço.
Atos 1:8; 1 Coríntios 2:4; 1 Tessalonicenses 1:5.

(7) Fazendo frutífero.
Gálatas 5:22-25.

(8) Ditando oração e intercedendo.
Romanos 8:26,27; Gálatas 4:6.

(9) Movendo a adorar.
Filipenses 3:3. Foi dito: "Em nossas orações somos tomados com as nossas necessidades, em nossas ações de graça somos tomados com as nossas bênçãos, mas em nossa adoração somos tomados com Deus mesmo".

(10) Finalmente, vivificando o corpo do crente.
Romanos 8:11-23.

Um Estudo Sistemático de Doutrina Bíblica

SATANÁS ! SUA ORIGEM, OBRA E DESTINO
Nenhum crente na inspiração plenária das Escrituras pode duvidar da existência de um diabo pessoal. A realidade de semelhante entidade está indelevelmente estampada nas páginas do Santo Escrito. "Não podemos negar a personalidade de Satanás, exceto sobre princípios que nos compeliriam a negar a existência de anjos, a personalidade do Espírito Santo e a do Pai, Deus" (Strong, Systematic Theology, pág. 223).

Ainda mesmo que a Bíblia nada dissesse da existência de um tal ser, talvez fôssemos compelidos a crer na sua existência como uma explanação do poder sutil e escravizador do pecado.

I. A ORIGEM DE SATANÁS
A existência de um ser ímpio tal como Satanás é, em face de nossa crença em Deus como sendo infinitamente santo e contudo criador de todas as outras coisas, apresenta esta pergunta inescapável: Como vamos dar conta de sua existência?
Cético tem imaginado que a pergunta: Quem fez o diabo? Oferece uma objeção irrespondível à doutrina cristã de Deus. Mas a Bíblia responde a esta pergunta clara e razoavelmente.

1. SATANÁS, UM ANJO DECAÍDO.

Afirmamos isso pelas três seguintes razões:

(1) Ele é da mesma natureza que os anjos.
As obras atribuídas ao diabo tornam tarefa a nós impossível compreendê-lo algo outro que incorpóreo. Se ele fosse material, limitar-se-ia ao espaço; e, portanto, não poderia prosseguir com as obras universais de impiedade a ele atribuídas na Bíblia.

(2) Ele é o líder de certos anjos.
Em Mateus 25:41 Cristo usa a expressão: "O diabo e seus anjos".

(3) Um destino comum espera Satanás e esses anjos.
Na passagem referida há pouco a Cristo Ele nos conta que o inferno foi preparado tanto para o diabo como para seus anjos.

Concluímos que esses anjos dos quais Satanás é o líder e de cujo castigo ele se aquinhoará são os anjos decaídos mencionados por Pedro e Judas. Parece-nos claro, então, que Satanás mesmo é um anjo decaído.

A declaração em João 8:44 para o efeito que o diabo "foi homicida desde o princípio" não precisa de ser tomada como permanecendo em conflito com o precitado. A expressão "desde o princípio" não precisa de ser tomada como referindo-se ao princípio da existência do diabo: pode referir-se, e cremos que se refere, ao princípio da história humana.

2. DADOS DA QUEDA DE SATANÁS.
Cremos que temos na Escritura duas relações fragmentárias da queda de Satanás. Referimo-nos a Ezequiel 28:12-18 e Isaías 14:12-17.

A primeira dessas passagens foi endereçada ao rei de Tiro; a segunda ao rei de Babilônia. Em ambas, mas mais especialmente na primeira, algo da linguagem é forte demais para aplicar-se a qualquer homem. Cremos que essas passagens, quais muitas outras profecias, tem uma dupla referência. Isto é verdade de algumas das profecias concernentes ao reajuntamento de Israel: sendo a sua referência imediata à volta de Israel após os setenta anos de cativeiro na Babilônia. Mas, elas fazem também uma clara referência remota ao reajuntamento de Israel disperso no fim dos tempos. Em Mateus 24:4-51 temos uma dupla referência maravilhosamente trabalhada em conjunto. A razão desta dupla referência é que a destruição de Jerusalém em 70 A. D. foi um tipo do cerco final de Jerusalém logo em precedência ao segundo advento de Cristo à terra para julgar o mundo e estabelecer o Seu reino milenial; e, sem duvida, a razão da dupla referência nas passagens que estamos considerando de Ezequiel e Isaias é que os reis de Tiro e Babilônia foram tomados como tipos "do homem do pecado" (2 Tessalonicenses 2:3,4), a "besta" do Apocalipse (Apocalipse 13 e 17), que não será senão uma ferramenta nas mãos de Satanás. Portanto, as palavras dos profetas vêem além desses reis ao poder dominante atrás deles, dirigindo-se a Satanás através dos seus representantes. Temos outros casos onde Satanás está assim endereçados. Em Gênesis 3:15 Satanás está endereçado através da serpente, seu instrumento e em Mateus 16:22,23 através de Pedro, em quem Cristo percebeu o espírito de Satanás.

(1) Referência a Satanás na sua condição Intacta.

"Tu és o Selador da soma, cheio de sabedoria e perfeito em formosura; estavas no Edem, jardim de Deus, toda a pedra preciosa era a tua cobertura: sardônia, topázio, diamante, ônix, jaspe, safira, carbúnculo, esmeralda e ouro; a obra dos teus tambores e dos teus pífaros estava em ti, foram preparados no dia em que foste criados. Tu eras o querubim, ungido para cobridor e te estabeleci; no monte santo de Deus estavas, no meio das pedras fulgentes andavas. Perfeito eras nos teus caminhos desde o dia em que foste criado, até que se achou iniqüidade em ti" (Ezequiel 28:12-15).

(2) Referência à queda de Satanás.

"Na multiplicação do teu comércio encheram o teu interior de violência e pecaste; pelo que te lançarei profanado do monte de Deus e te farei perecer, ó querubim cobridor, do meio das pedras fulgentes. Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor, por terra te lancei, diante dos reis te pus, para que a ti olhem. Pela multidão das tuas iniqüidades, pela injustiça do teu comércio profanaste os teus santuários. Eu, pois, fiz sair do meio de ti um fogo que te consumiu a ti e te tornei em cinzas sobre a terra, aos olhos de todos os que te vêem" (Ezequiel 28:16-18).

"Como caíste desde o céu, ó estrela da manhã, filha da alva do dia? Como foste cortado por terra, tu que debilitavas as nações? E tu dizias no teus coração: Eu subirei ao céu, por cima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono e no monte da congregação me assentarei, da banda dos lados do Norte. Subirei sobre as alturas das nuvens e serei semelhante ao Altíssimo. E contudo derribado serás no inferno, aos lados da cova. Os que te virem te contemplarão, considerar-te-ão e dirão: É este o varão que fazia estremecer a terra e que fazia tremer os reinos? Que punha o mundo como deserto e assolava as suas cidades? Que a seus presos não deixava soltos para suas casas?" (Isaías 14:12-17).

Destas duas relações parece claro que Satanás caiu pelo orgulho. Está isto em harmonia com as seguintes passagens:

Provérbios 16:18. A soberba precede a ruína e o espírito altivo a queda.

1 Timóteo 3:2,6. Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível ... não neófito, para que, ensoberbecendo-se, não caia na condenação do diabo.

Por Ezequiel entendemos que Satanás acupava lugar muito elevado entre os anjos no seu estado intacto. "Eras o querubim ungido que cobrias e eu te estabeleci, de maneira que estavas sobre o santo monte de Deus". Notai que ele não era "um querubim ungido", mas "o querubim ungido". "Ungido" quer dizer separado como um sacerdote ao serviço de Deus. "O ungido querubim que cobre" alude provavelmente ao querubim que cobria o propiciatório com suas asas no templo (Êxodo 37:9). Isto parece indicar que o diabo era o líder da adoração angélica; provavelmente ocupava o lugar que agora é ocupado por Miguel, o arcanjo.

II. A OBRA DE SATANAZ

1. O PECADO ORIGINADO NO UNIVERSO.

As passagens supra, que dão um relato velado da queda de Satanás, apontam-nos a narrativa mais antiga que temos na Bíblia sobre o pecado. Sabemos que Satanás caiu antes do homem, porquanto Satanás solicitou o homem ao pecado. "O pecado não foi uma criação mas uma origem: veio a existir pelo auxilio daquele que teve existência anterior, nomeadamente, personalidade e o poder de livre escolha. Deus não criou esse ser como o Diabo, mas como um anjo santo, o qual originou o pecado pela desobediência e se transformou no diabo ímpio que é hoje (Bancroft, Elemental Theology).

2. INTRODUZIU O PECADO NA FAMÍLIA HUMANA.

Gênesis 3:1-16. Há uma conexão íntima entre o que notamos de Isaias a respeito do diabo e o seu método de seduzir Eva. Satanás foi enxotado do céu porque disse: "Far-me-ei semelhante ao Altíssimo". Ele enganou Eva por dizer-lhe que, em vez de morrer como resultado de comer o fruto proibido, torna-se?ia ela "como Deus, conhecendo o bem e o mal".

3. POSSUI E CONTROLA O MUNDO

Jó 9:24; Mateus 4:8,9; João 12:31; 14:30; 16:11; 2 Coríntios 4:3,4; Efésios 6:12. Deus possui o mundo (Salmos 24:1), mas, como lemos em Jó 9:24, o mundo foi dado na mão de Satanás temporariamente e Satanás o domina, sujeito a tais limitações como Deus se apraz impor. Vide Salmos 76:10.

4. ACUSA O POVO DE DEUS.

Jó 1:6-9; 2:3-5; Apocalipse 12:9,10. "Diabo" significa "acusador" ou "enganador".

5. TAMBÉM PROVA, ESCONDE, RESISTE E ESBOFETEIA.

Lucas 22:31; 1 Tessalonicenses 2:18; Zacarias 3:1; 2 Coríntios 12:7.

6. PROCURA OPOR-SE E ESCONDER A OBRA DE DEUS.

Mateus 13:39; Marcos 4:15; 2 Coríntios 11:14,15; 2 Tessalonicenses 2:9,10; Apocalipse 2:10; 3:9.

7. TENTA, ENLAÇA E GUIA OS HOMENS AO MAL.

1 Crônicas 21:1; Mateus 4:1-9; João 13:2,27; Atos 5:3.

8. CONTROLA E CEGA OS PERDIDOS.

João 8:44; 12:37-40; Atos 26:18; 2 Coríntios 4:4; 2 Timóteo 2:26. A cegueira em 2 Coríntios 4:4 e aquela em João 12:37-40 são o mesmo. Sua causa imediata é a depravação da natureza carnal. Diz-se que o diabo é o autor desta cegueira porque ela é o autor do pecado. Na derradeira passagem é atribuída a Deus porque é pela vontade permissiva de Deus que se concedeu ao diabo trazer o pecado ao mundo. Para mais extensa discussão desta cegueira vide o capítulo sobre a livre agencia do homem.

9. CAUSA ENFERMIDADES.

Lucas 13:16; Atos 10:38.

10. TEM O PODER DA MORTE.

Hebreus 2:14.

Mas, graças sejam dadas a Deus, toda a obra de Satanás está senhoreada pela onipotência e onisciência de Deus e é feita para operar ultimadamente para glória de Deus e para o bem dos santos. Vide Salmos 76:10; Romanos 8:31; 2 Coríntios 12:7; Efésios 1:11.

Na queda de Pedro temos um exemplo excelente de como Deus é glorificado e os santos beneficiados mesmo atravéz da tentação do diabo que atualmente produz o pecado nas vidas dos santos. A experiência de Pedro em negar a Cristo fê-lo homem diferente dele mesmo. No julgamento de Jesus ele Pedro acovardou-se ante uma criadinha, mas no Pentecostes ele topou a multidão dos crucificadores de Cristo com palavras ardentes de condenação. A queda de Pedro tirou-lhe a Fiúza em si mesmo. Assim, Satanás, buscando a completa ruína de Pedro, como ele teve a de Jó, peneirou a palha e deixou o trigo. Podemos ver também que as aflições de Satanás trouxeram no fim maiores bênçãos a Jó.

III. O DESTINO DE SATANAZ
A noção comum que Satanás está agora no inferno não é correta. O mesmo é verdade da idéia de Satanás ficar sempre no inferno como o que inflige tormento sobre outros. Ele habita agora nos ares (Efésios 6:11,12), tem acesso a Deus (Jó 1:6) e é ativo sobre a terra (Jó 1:7; 1 Pedro 5:8). Mas, finalmente, Satanás será lançado no inferno.

Já notamos que o inferno foi preparado para o diabo e seus anjos. Na passagem seguinte temos a relação de como ele será lançado no inferno:

"E o diabo que os enganou foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde também estão a besta e o falso profeta; e serão atormentados dia e noite para todo o sempre" (Apocalipse 20:10).

Isto é para acontecer ao cabo do "pouco tempo", durante o qual é para Satanás ser solto outra vez após o milênio. Precedendo o milênio, a besta e o falso profeta serão lançados no lago de fogo (Apocalipse 19:20).

Estudo Bíblico - O Dízimo e Melquisedeque

ML 3:10, "Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes."
Mas será isto pra nós que estamos debaixo da nova aliança? Que fazemos parte do novo concerto? Isso não era peculiar ao sacerdócio levítico e ao povo de Israel?
O cristão não é obrigado a dar o dízimo pela lei!!!

Por que o cristão não tem que dar o dizimo:

1)- Não deve dar com medo de estar roubando a Deus. Mal.3:8 Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas.
Não devemos chamar de ladrão a quem Cristo libertou Gl 5:1 Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão.

2)- Não deve dar com medo de ser amaldiçoado. Mal.3:9 Com maldição sois amaldiçoados, porque a mim me roubais, sim, toda esta nação.
Somos abençoados com todas as bênçãos espirituais em Cristo Ef 1:3 Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo;

3)- Não deve dar como um investimento. Mal.3:10 Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes.
Pois Deus mesmo tem cuidado de nos ele é nossa esperança 1Tm 6:17 Manda aos ricos deste mundo que não sejam altivos, nem ponham a esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas as coisas para delas gozarmos; Nossa confiança tem de estar em Deus não em nosso dizimo.

4)- Não deve dar com medo do devorador. Mal.3:11 E por causa de vós repreenderei o devorador, e ele não destruirá os frutos da vossa terra; e a vossa vide no campo não será estéril, diz o SENHOR dos Exércitos.
Somos guardados no poder de Deus, a pedido de Cristo: Jô.17:15 Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal.

Examine: Ml. 3
Tudo isso são coisas peculiares à situação pela qual Israel estava passando, em desobediência, então vemos Deus os convocarem ao arrependimento e reconhecimento de Deus em suas vidas, redundando em obras de obediência.

Também não devemos dar o dizimo:

5)- Não se dar por imposição humana.

6)- Não o deve dar para manter-se ou tornar-se membro de uma igreja.

7)- Não deve dar por necessidade.

8)- Não deve dar por constrangimento.

Examine Hb. 7

DÍZIMOS –
Melquisedeque um personagem de suma, essencial, grande importância:
O autor de Hebreus diz que muita coisa sobre ele poderia ser dita, mas a interpretação.
Seria difícil porque os ouvintes se tornaram negligentes para receber essa palavra (Hebreus 5: 11 Do qual (Melquisedeque) muito temos que dizer, de difícil interpretação; porquanto vos fizestes negligentes para ouvir. 12 Porque, devendo já ser mestres pelo tempo, ainda necessitais de que se vos torne a ensinar quais sejam os primeiros rudimentos das palavras de Deus; e vos haveis feito tais que necessitais de leite, e não de sólido mantimento.)
Melquisedeque, Rei de Salém e Sacerdote.

Era ele Sem? Ou um anjo? Deus o Pai? Cristo? Sim ele era Cristo.
Ainda em Hebreus 7:3 lemos a respeito de Melquisedeque… "sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida"... e "o qual recebeu o ofício do "sacerdócio". Sem dúvida, esses atributos tais como "sem pai, sem mãe" ou como "sem genelogia, sem princípio de dias, nem fim de vida" caracterizam alguém com uma outra natureza, uma natureza sobrenatural, que não humana.
Portanto, ao invés do que muita gente pensa, Melquisedeque não poderia ser de natureza humana, pois o texto diz que ele não tinha genealogia humana e os dias de sua existência não eram limitados. Esses atributos são próprios de um ser eterno.

Heb.6: 17 Por isso, querendo Deus mostrar mais abundantemente a imutabilidade do seu conselho aos herdeiros da promessa, se interpôs com juramento; 18 Para que por duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos a firme consolação, nós, os que pomos o nosso refúgio em reter a esperança proposta; 19 A qual temos como áncora da alma, segura e firme, e que penetra até ao interior do véu, 20 Onde Jesus, nosso precursor, entrou por nós, feito eternamente sumo sacerdote,segundo a ordem de Melquisedeque. Heb 7:V. 1 PORQUE este Melquisedeque, que era rei de Salém, sacerdote (ordenado, autorizado, confirmado ou seja constituído por) do Deus Altíssimo, e que saiu ao encontro de Abraão quando ele regressava da matança dos reis, e o abençoou ; Veja Gênesis 14: 18 E Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; e era este sacerdote do Deus Altíssimo. 19 E abençoou-o, e disse: Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra; 20 E bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos. E Abrão deu-lhe o dízimo de tudo. Sem pai, sem mãe, isto é não tendo recebido seu sacerdócio por hereditariedade ou linhagem.

Heb.7: V. 2 A quem também Abraão deu o dízimo de tudo, e primeiramente é, por interpretação, rei de justiça, e depois também rei de Salém, que é rei de paz; Melquisedeque era rei e sacerdote e, vemos nisto sua identificação com Cristo.
Ainda que ele é mencionado apenas três vezes na Bíblia dois no Velho Testamento (Genesis e Salmos) e um no Novo Testamento (Hebreus) (no salmo Sal. 110 um salmo messiânico lemos) Sal. 110:1 DISSE o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha mão direita, até que ponha os teus inimigos por escabelo dos teus pés. 2 O Senhor enviará o cetro da tua fortaleza desde Sião, dizendo: Domina no meio dos teus inimigos. 3 O teu povo será mui voluntário no dia do teu poder; nos ornamentos de santidade, desde a madre da alva, tu tens o orvalho da tua mocidade. 4 Jurou o Senhor, e não se arrependerá: tu és um sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque. 5 O Senhor, à tua direita, ferirá os reis no dia da sua ira. 6 Julgará entre os gentios; tudo encherá de corpos mortos; ferirá os cabeças de muitos países. 7 Beberá do ribeiro no caminho, por isso exaltará a cabeça e Hb.7: 5 E os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm ordem, segundo a Lei ( pois foram constituido segundo a lei mosaica), de tomar o dízimo do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham saído dos lombos de Abraão. 6 Mas aquele (Melquisedeque), cuja genealogia não é contada entre eles (os levitas, homens), tomou dízimos de Abraão, (antes da lei antes do sacerdócio levitico) e abençoou o que tinha as promessas. 7 Ora, sem contradição alguma, o menor é abençoado pelo maior.) e que não haja registro de seus antepassados nem de sua descendência, nisto é a semelhança de Cristo como o Filho Eterno de Deus.

Melquisedeque trouxe pão e vinho a Abrão. Exatamente os elementos que nos representam atualmente o Sangue e o Corpo de Cristo.
Melquisedeque significa "Rei da Justiça" Salém significa "Paz", Is.9: 6 Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso,Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. 7 Do aumento deste principado e da paz não haverá fim, sobre o trono de Davi e no seu reino, para o firmar e o fortificar com juizo e com justiça, desde agora e para sempre; o zelo do SENHOR dos Exércitos fará isto.

Os princípios do dízimo são eficazes para Cristo como sacerdote eterno segundo a ordem de Melquisedeque, e como sumo sacerdote que por nos adentrou no santo dos santos.
Realmente, nosso dizimar não tem nada ver com a lei Levítica do dízimo. Heb.7:V. 4 Considerai, pois, QUÃO GRANDE era este, a quem até o patriarca Abraão deu os dízimos dos despojos .5 E os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm ordem, segundo a lei, de tomar o dízimo do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham saído dos lombos de Abraão. 6 Mas aquele, cuja genealogia não é contada entre eles, ( Entre quem? Entre os levitas) tomou dízimos de Abraão, ( não por lei, mas em graça) e abençoou o que tinha as promessas 7 Ora, sem contradição alguma, o menor é abençoado pelo maior. E aqui certamente tomam dízimos homens que morrem; ALI, porém, AQUELE de quem se testifica que vive ( ISTO É, NÃO MORRE). 8 E, por assim dizer, por meio de Abraão, até Levi, que recebe dízimos, pagou dízimos. 9 Porque ainda ele estava nos lombos de seu pai quando Melquisedeque lhe saiu ao encontro.

O Sacerdócio de Melquisedeque foi superior ao de Levi, nos seguintes pontos:
a-) Recebeu dízimos de Abraão, 2.000 anos antes de Cristo e 700 anos antes da Lei
b-) Gn 15:6 E creu ele no SENHOR, e imputou-lhe isto por justiça. Melquisedeque era maior do que o pai da fé: Heb.7:6 Mas aquele, cuja genealogia não é contada entre eles, tomou dízimos de Abraão, e abençoou o que tinha as promessas. 7 Ora, sem contradição alguma, o menor é abençoado pelo MAIOR.
c-) O Sacerdócio Levítico é temporário e insuficiente. Heb.7:V 11 De sorte que, se a perfeição fosse pelo sacerdócio levítico (porque sob ele o povo recebeu a lei), que necessidade havia logo de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ordem de Melquisedeque, e não fosse chamado segundo a ordem de Arão? 12 Porque, mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei. (NÃO EXTINÇÃO). O Sacerdócio de Melquisedeque PERMANECE PARA SEMPRE: Heb.7:3 Sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida, mas sendo feito semelhante ao Filho de Deus, permanece sacerdote PARA SEMPRE.

Bem como o Sacerdócio de Cristo:
a-) O Sacerdócio de Cristo é imutável. Heb.7:V 13 Porque aquele de quem estas coisas se dizem pertence a outra tribo, da qual ninguém serviu ao altar,14 Visto ser manifesto que nosso Senhor procedeu de Judá, e concernente a essa tribo nunca Moisés falou de sacerdócio.15 E muito mais manifesto é ainda, se à semelhança de Melquisedeque se levantar outro sacerdote,16 Que não foi feito segundo a lei do mandamento carnal ( HEREDITARIO OU POR HERANÇA), MAS segundo a virtude da vida incorruptível. 17 Porque dele assim se testifica: Tu és SACERDOTE ETERNAMENTE ( bem como suas honras e o reconhecimento devido a ELE), segundo a ordem de Melquisedeque.

b-) O Sacerdócio de Cristo é eterno. Heb.7:V. 24 Mas este, porque permanece eternamente, tem um sacerdócio perpétuo. 25 Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles. 26 Porque nos convinha tal sumo sacerdote, santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores, e feito mais sublime do que os céus; 27 Que não necessitasse, como os sumos sacerdotes ( dizimamos a ele não porque ele necessita de algo mas em reconhecimento pelo que ele é, como o fez Abraão), de oferecer cada dia sacrifícios, primeiramente por seus próprios pecados, e depois pelos do povo; porque isto fez ele, uma vez, oferecendo-se a si mesmo. 28 Porque a lei constitui sumos sacerdotes a homens fracos, mas a palavra do juramento, que veio depois da lei, constitui ao Filho, perfeito para sempre.

c-) Abraão deu o dizimo antes da lei antes do sacerdócio levitico, portanto não segundo a lei. Se Melquisedeque recebeu o dizimo de Abraão dado em graça, não deve Cristo receber o nosso também em graça?

Similaridades entre Melquisedeque e Jesus. Há uma grande similaridade entre as características de Melquisedeque e do Anjo do Senhor.

A seguir estão algumas das coisas que Jesus e Melquisedeque têm em comum:

= O padrão do ministério de Cristo é o da justiça prevalecendo inclusive sobre a misericórdia Is.9:7 Do aumento deste principado e da paz não haverá fim, sobre o trono de Davi e no seu reino, para o firmar e o fortificar com juízo e com justiça, desde agora e para sempre; o zelo do Senhor dos Exércitos fará isto..

Por sua vez, Melquisedeque significa "rei de justiça" Hebreus 7:2 A quem também Abraão deu o dízimo de tudo, e primeiramente é, por interpretação, rei de justiça, e depois também rei de Salém, que é rei de paz;.

= Melquisedeque era rei de Salem Hebreus 7:22 A quem também Abraão deu o dízimo de tudo, e primeiramente é, por interpretação, rei de justiça, e depois também rei de Salém, que é rei de paz, ou Jerusalem.
= Melquisedeque não tem começo nem fim de dias, ou em outras palavras - é eterno. Ele tambem não tem genealogia (Hebreus 7:3). Cristo também é eterno Heb.13:8 Jesus Cristo é o mesmo, ontem, e hoje, e eternamente. Esse fato caracteriza ambos como seres divinos e sobrenaturais.
= Melquisedeque era a teofania de Deus filho que assumiu forma humana quando apareceu a Abraão (Genesis 14:18-20). Por outra vezes, Jesus tambem tomou a forma humana quando apareceu a Abraão (Genesis 18:1-7) e anunciou que Sara teria um filho.

Em Hebreus 7:11-12 está escrito… Se a perfeição fosse pelo sacerdócio levítico (porque sob ele o povo recebeu a lei, que necessidade havia logo de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ORDEM (grego taxi = disposição regular e metódica; regularidade; método; maneira, modo; apropriada combinação de meios; lei; mandado; natureza; classe, categoria; da mesma natureza, com as mesmas aplicações, os mesmos direitos, honra, poderio, gloria etc.. ordem é usado para alusão fixa dos turnos dos sacerdotes,) de Melquisedeque, e não fosse chamado segundo a ordem de Arão?

Porque mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz tambem MUDANÇA ( ato ou efeito de mudar; alteração; transformação; modificação; deslocação; variação; ) de lei".

Deus colocou de lado o Velho Concerto, e deu um Novo Concerto e um Novo Sacerdócio. Hebreus 8: 7 Porque, se aquela primeira fora irrepreensível, nunca se teria buscado lugar para a segunda. 8 Porque, repreendendo-os, lhes diz: Eis que virão dias, diz o Senhor, Em que com a casa de Israel e com a casa de Judá estabelecerei uma nova aliança, 9 Não segundo a aliança (Lei de Moises) que fiz com seus pais No dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; Como não permaneceram naquela minha aliança (Lei de Moises), Eu para eles não atentei, diz o Senhor. 10 Porque esta é a aliança que depois daqueles dias Farei com a casa de Israel (Aliança da graça), diz o Senhor; Porei as minhas leis no seu entendimento, E em seu coração as escreverei (em relação ao novo homem) ; E eu lhes serei por Deus, E eles me serão por povo; 11 E não ensinará cada um a seu próximo, Nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece o Senhor; Porque todos me conhecerão, Desde o menor deles até ao maior. 12 Porque serei misericordioso para com suas iniqüidades, E de seus pecados e de suas prevaricações não me lembrarei mais. 13 Dizendo Nova aliança (graça), envelheceu a primeira (Lei). Ora, o que foi tornado velho, e se envelhece, perto está de acabar.

O primeiro contrato que Deus fez com Seu povo Israel pela medição de Moises (Ex 24:1-8) deixou de permanecer em vigor pela fraqueza dos homens, estava enferma pela fraqueza da carne. Rm 8:3 Porquanto o que era impossível à lei, visto como estava enferma pela carne, Deus, enviando o seu Filho em semelhança da carne do pecado, pelo pecado condenou o pecado na carne;

Mas a Nova Ordem oferece é superior nos seguintes aspectos:

a.) Foi anunciada pelos profetas (Jr 31:31-34)
b.) È Nova (KAINOS) não apenas em tempo, mas em qualidade.
c.) Abrange maior amplidão – Ef 2:14 Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio,
d.) Realiza transformação interior (Heb.8: 10 Porque esta é a aliança que depois daqueles dias Farei com a casa de Israel, diz o Senhor; Porei as minhas leis no seu entendimento, E em seu coração as escreverei; E eu lhes serei por Deus,).Não apenas conformidade com as leis.
e.) Oferece perdão TOTAL (Heb.8: 12 Porque serei misericordioso para com suas iniqüidades, E de seus pecados e de suas prevaricações não me lembrarei mais. ), não cobertura passageira.

Nos vimos que em hebreus é demonstrada a superioridade do sacerdócio de Jesus sobre o de Arão e, assim, ele afirma a superioridade de Melquisedeque sobre Levi. Ele o faz, em parte, observando que Melquisedeque abençoou Abraão (o menor é abençoado pelo maior) e que Abraão, que tinha as promessas, pagou dízimo a Melquisedeque. Mostrando que Melquisedeque é superior aquele de quem surgiria o sacerdócio levitico.
Mas por que uma outra ordem ( OU SEJA DE ORIGEM DIVINA) de sacerdócio, segundo Melquisedeque era necessária.

Vimos também que o sacerdócio levítico não era adequado (Heb.7:11,27). Nem a Jesus era permitido ser sacerdote segundo a ordem de Levi. Os sacerdotes vinham da tribo de Levi, mas Jesus era da tribo de Judá (Heb.7:13-14). A lei de Moisés nada dizia sobre homens de Judá se tornarem sacerdotes e, assim, isso era proibido. O homem não deve ir além do que Deus autorizou.
Para que Jesus fosse um sacerdote, o sacerdócio tinha que ser mudado. Desde que o sacerdócio e a lei de Moisés estavam intimamente ligados, se o sacerdócio for mudado, então a lei também precisa ser mudada (Heb.7:12,18-19). Aqueles que querem viver sob a lei de Moisés, hoje em dia, desligam-se do sacerdócio de Jesus porque ele não pode ser sacerdote sob essa lei! O sacerdócio de Jesus é, então, uma garantia de que uma lei (ou aliança) melhor foi estabelecida (Heb.7:20-22).

Por que alguém haveria de querer voltar à Velha Lei e ao sacerdócio levítico? Jesus é um Sumo Sacerdote superior. Ele foi feito sacerdote pelo poder de uma vida infindável, e não através de um mandamento carnal (a Lei de Moisés). Diferente dos sacerdotes levíticos, que eram incapazes de continuar a servir por causa da morte, Jesus vive sempre para fazer intercessão por nós. Jesus foi feito sacerdote através do imutável juramento de Deus.

Os sacerdotes levíticos eram fracos porque pecavam assim como os homens pelos quais eles faziam intercessão. Jesus, contudo, é santo, imaculado e separado dos pecadores. Ele não tem que fazer oferenda por si mesmo, como os sacerdotes levíticos tinham que fazer. De muitas maneiras, Jesus é verdadeiramente o sumo sacerdote superior!

Só para relembrarmos:
Sal 110:4 Jurou o Senhor, e não se arrependerá: tu és um sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque.
Heb 5:6 Como também diz, noutro lugar: Tu és sacerdote eternamente, Segundo a ordem de Melquisedeque.
Heb 5:10 Chamado por Deus sumo sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque.
Heb 6:20 Onde Jesus, nosso precursor, entrou por nós, feito eternamente sumo sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque.
Heb 7:11 ... segundo a ordem de Melquisedeque, e não fosse chamado segundo a ordem de Arão?
Heb 7:17 ... Segundo a ordem de Melquisedeque.
Heb 7:21 ... Segundo a ordem de Melquisedeque,
Heb.7:3 Sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida, mas sendo feito semelhante ao Filho de Deus, permanece sacerdote para sempre.
Heb 7:15 E muito mais manifesto é ainda, se à Semelhança ( grego homoiõtes = aquilo que é feito como algo, semelhança; no sentido concreto, ou no sentido abstrato como em Rom1:23 E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis.) às vezes semelhança quer dizer igual Fp 2:7 Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; ele era homem e Deus) de Melquisedeque se levantar outro sacerdote,
Os princípios do dízimo são eficazes para Cristo como sacerdote eterno segundo a ordem de Melquisedeque, e como sumo sacerdote que por nos adentrou no santo dos santos.

Realmente, nosso dizimar não tem nada ver com o sacerdócio nem com a lei Levítica do dízimo. Heb.7:V. 4 Considerai, pois, quão grande era este, a quem até o patriarca Abraão deu os dízimos dos despojos .5 E os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm ordem, segundo a lei, de tomar o dízimo do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham saído dos lombos de Abraão. 6 Mas aquele, cuja genealogia não é contada entre eles, ( Entre quem? Entre os levitas) tomou dízimos de Abraão, ( não por lei, mas em graça) e abençoou o que tinha as promessas 7 Ora, sem contradição alguma, o menor é abençoado pelo maior. E aqui certamente tomam dízimos homens que morrem; ALI, porém, AQUELE de quem se testifica que vive. 8 E, por assim dizer, por meio de Abraão, até Levi, que recebe dízimos, pagou dízimos. 9 Porque ainda ele estava nos lombos de seu pai quando Melquisedeque lhe saiu ao encontro.

Dizimamos, pois, sob o Novo Concerto, ao Senhor Jesus Cristo, que é do Novo Sacerdócio segundo a ordem ( taxi = disposição regular e metódica; regularidade; método; maneira, modo; apropriada combinação de meios; lei; mandado; natureza; classe, categoria; da mesma natureza, com as mesmas aplicações, os mesmos direitos, honra, poderio, gloria etc.. ordem é usado para alusão fixa dos turnos dos sacerdotes ) de Melquisedeque. Temos então um sacerdote que segundo a ordem, e não só isso mas também a SEMELHANÇA Hb 7:15 E muito mais manifesto é ainda, se à semelhança de Melquisedeque se levantar outro sacerdote Não só sacerdote mas, SUMO SACERDOTE Hb 9:11 Mas, vindo Cristo, o sumo sacerdote dos bens futuros, por um maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, isto é, não desta criação,

Levando em conta o que disse o próprio Senhor: Lc 20:25 Disse-lhes então: Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus. Não por necessidade ( pois Deus de nada necessita), mas por direito de criação, de propriedade, por gratidão, por reconhecimento, de senhorio, de soberania, dando a ele a primazia em tudo nas nossas vidas. Lc 20:25 ... Daí a Deus o que é de Deus...

1)- Mt 23.23 = Partindo dos lábios de Jesus em relação aos fariseus. Jesus aqui afirma a necessidade do dízimo, ao mesmo tempo em que denuncia sua prática como demonstração de piedade exterior. Mt 23:23 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas.

Lc 11:42 Mas ai de vós, fariseus, que dizimais a hortelã, e a arruda, e toda a hortaliça, e desprezais o juízo e o amor de Deus. Importava fazer estas coisas, e não deixar as outras.

Se o dizimo aqui era só para os judeus e não para os seus discípulos ( da nova aliança), então o juízo, a misericórdia e a fé e o amor também o era. E então nos também não devemos nos preocupar com essas virtudes, pois eram coisas da velha lei.

Jesus proferiu essas palavras diante de seus discípulos e de grande multidão Mat.23:1 Então falou Jesus à multidão, e aos seus discípulos, vs 23 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas.

Jesus teve a oportunidade de abolir o dizimo como o fez com outras ordens da lei:

Jesus quando curou um enfermo no tanque de Betesda, mandou que ele carregasse seu leito em um dia de sábado, algo que não era permitido: Mat.5: 8 Jesus disse-lhe: Levanta-te, toma o teu leito, e anda. 9 Logo aquele homem ficou são; e tomou o seu leito, e andava. E aquele dia era sábado. 10 Então os judeus disseram àquele que tinha sido curado: É sábado, não te é lícito levar o leito.

Leia Lucas cap.6. Jesus curou no sábado e fez muitas outras coisas.

Jesus aboliu a lei do sábado e nos levou ao verdadeiro descanso, porque não o fez com o dizimo vendo que teve varias oportunidades?

A)- Jo.8:4 E, pondo-a no meio, disseram-lhe: Mestre, esta mulher foi apanhada, no próprio ato, adulterando.5 E na lei nos mandou Moisés que as tais sejam apedrejadas. Tu, pois, que dizes? 6 Isto diziam eles, tentando-o, para que tivessem de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia com o dedo na terra.7 E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se, e disse-lhes: Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela.

B)- A lei dizia: Olho por olho, dente por dente = Mat.5: 39 Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra;

C)- A lei dizia: Mat.5:43 ... Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo = Mat.544 Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;

D)- A lei dizia: Não adulterarás = Mat.5:28 Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela.

A graça vai além da lei: porque só nesta questão do dízimo, ela ficaria aquém da lei?

Esta, portanto, é uma justificativa infundada. Mt 23.23 = justiça, misericórdia e fé também são da lei.

Jesus teve a oportunidade de abolir o dizimo, mas não o fez.

2)- ( Lc 18:12 Jejuo duas vezes na semana, e dou os dízimos de tudo quanto possuo)

O fariseu; Jejuava duas vezes por semana e dava o dízimo de tudo quanto ganhava. Aqui também Jesus denuncia a prática do dízimo como substituição de valores do Reino tais quais: justiça, misericórdia e fé amor, mas não o critica, não diz que era coisa da velha lei e não o aboli.

JUSTIFICATIVA TEOLÓGICA
Ah, eu não sou dizimista, porque DÍZIMO é da lei. E eu não estou debaixo da lei, mas sim da graça. Sim! O dízimo é da lei, é antes da lei e é depois da lei.
O dizimo foi sancionado por Cristo. Se é a graça que domina a nossa vida, porque ficamos sempre aquém da lei? Será que a graça não nos motiva a ir além da lei?

3)- Os povos pagãos sempre tiveram problema com as riquezas, a estes que se achegavam a Jesus e ao evangelho Jesus disse Mat.6:24 Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom. (Mamom o deus caldeu das riquezas)
O cristão que deixa contribuir está agindo de má fé para com Deus, ele deve contribuir sim e feliz porque sabe que pode fazê-lo por amor a Deus e não por imposição da lei de Moises nem de homens.
Pela Lei, o dízimo era destinado à tribo levítica, aos sacerdotes desta tribo. Eles recebiam e se mantinham dos dízimos, porque não tinham herança e cuidavam do Templo de Deus, a Casa do Senhor, para onde os dízimos eram levados (Num. 18:21-30).

Devemos compreender a diferença entre pagar em LEI e o contribuir em GRAÇA.

Na Lei, o DÍZIMO era a causa principal da bênção do povo judeu e a bênção era consequência deste DÍZIMO (Mal.3:10). A maneira certa de o povo judeu contribuir na LEI era dando o Dízimo para ser abençoado.

Na nova aliança, a GRAÇA de Deus e o Sacrifício de Cristo são a causa principal de dizimarmos.

Jesus falou e aprovou ofertas:

Luc.21:1 E, OLHANDO ele, viu os ricos lançarem as suas ofertas na arca do tesouro;2 E viu também uma pobre viúva lançar ali duas pequenas moedas;3 E disse: Em verdade vos digo que lançou mais do que todos, esta pobre viúva;4 Porque todos aqueles deitaram para as ofertas de Deus do que lhes sobeja; mas esta, da sua pobreza, deitou todo o sustento que tinha.

Jesus falou e aprovou esmolas:

Mat.6:1 GUARDAI-VOS de fazer a vossa esmola diante dos homens, para serdes vistos por eles; aliás, não tereis galardão junto de vosso Pai, que está nos céus.2 Quando, pois, deres esmola, não faças tocar trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.

Jesus falou e aprovou dízimos:
Mt 23:23 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas.

Lc 11:42 Mas ai de vós, fariseus, que dizimais a hortelã, e a arruda, e toda a hortaliça, e desprezais o juízo e o amor de Deus. Importava fazer estas coisas, e não deixar as outras.

Jesus falou sobre o dinheiro 90 vezes no NT. Dos 107 versículos do Sermão do Monte, 22 referem-se a dinheiro, e 24 das 49 parábolas de Jesus mencionam dinheiro.

1. Jesus não se opôs ao dízimo (Mt 5. 17,18; 23.23). Podemos classificar o dízimo como pertencente à lei moral, antes de Moises entregar os 10 mandamentos, já era errado: matar , roubar etc.. assim vejo também o dizimo como uma lei moral existente antes da lei.

Visto que partimos do princípio de que tudo que temos é de Deus. Ele é dono de todas as coisas.

Como em outras leis do AT., o dízimo recebe na nova dispensação maior amplitude, no princípio da mordomia da vida e da propriedade. Esse princípio não exclui o dízimo, porém, vai além dele, assim como o NT, sem excluir o AT, o NT completa-o e amplia-o.

Por isso mesmo, o que encontramos no NT., são exemplos de contribuição que vão além do dízimo. Exemplo: Viúva pobre (Mac 12.41-44); Zaqueu (Lc 19.8); crentes de Jerusalém (At 2.44, 45; 4.32-37); crentes da Macedônia (II Co 8.1-5); crentes de Corinto (I Co 16.2).

Foi Jesus Dizimista? Sim pelas seguintes razões:

1 – Jesus foi educado num piedoso lar judeu, e os judeus piedosos eram dizimistas.
2 – Jesus declarou que não veio revogar a lei e os profetas (Mt 5.17). O dízimo é ensinado antes da lei e dos profetas, pela lei e pelos profetas e por Cristo.
3 – Jesus sempre elevou o nível moral. Leia, veja o que disse Ele no Sermão do Monte sobre o adultério, o juramento, e etc, e indague se ele ficaria satisfeito, em matéria de contribuição , com um padrão inferior ao dízimo.
4 – Os inimigos de Jesus tentaram convencê-lo de que estava violando a lei por em muitos casos exemplo: No caso da observância do Sábado, de blasfemi, de proferir palavras contra o templo etc.. Não será estranho que eles nunca o tivessem acusado de violar a lei do dízimo, se ele não o praticasse? Ou assim ensinasse?

Mt 5:20 Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus.

O Dízimo está nas palavras de Jesus Cristo. 600 anos após o profeta Malaquias e 1.300 depois da lei, Jesus Cristo, nosso único mestre Mat.23:7-10 cumpri a lei e os profetas, e afirma que NINGUÉM DEVE DEIXAR DE DIZIMAR. Mt 23:23 ...; deveis, porém, fazer ..., Lc 11:42 ...Importava fazer... Portanto, deixar de DIZIMAR é ir de encontro à Palavra de Cristo, é desobedecer a Cristo, é discordar de Cristo, é renegar o ensino de Cristo.

O Dízimo está em vigor até a volta de Cristo.
Jesus Cristo é sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque o qual recebeu Dízimo, e não segundo a ordem levítica. Os filhos de Levi têm ordem, segundo a Lei, de tomar Dizimo, do povo isto é, dos seus irmãos Heb.7:V..5 E os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm ordem, segundo a lei, de tomar o dízimo do povo, isto é, de seus irmãos... Estes, "certamente tomam dízimos homens que morrem". "ali", (Jesus Cristo, o qual toma Dízimo também). Heb.7:7 ... ALI, porém, AQUELE de quem se testifica que vive.. Pelas palavras da carta aos Hebreus, 60 anos depois da palavra de Cristo, vemos o Dízimo pertencendo ao sacerdócio de Levi e ao sacerdócio de Melquisedeque, e ao sacerdócio de Jesus segundo a ordem de Melquisedeque Heb 7:21 ... Segundo a ordem de Melquisedeque, isto é sacerdote eterno Heb.7:V. 24 ... sacerdócio perpétuo., cujo sacerdócio está até hoje e para sempre. O Dízimo segundo Hebreus capítulo 7 foi antes do sacerdócio levítico, durante o mesmo e continua depois do mesmo; é mandamento portanto, da lei e dádiva da graça: da velha e da nova dispensação cujo Cristo é o Sumo Sacerdote. Logo o Dízimo é do agrado de Deus, para todos seus filhos, em vigor, até à volta de Cristo.

É hora de sermos fiéis ao Deus fiel. É hora de sabermos que tudo é de Deus: nossa casa, nosso carro, nossas roupas, nossas jóias, nossos bens, nossa vida, nossa saúde, nossa família. TUDO É DELE. Sl 89:11 Teus são os céus, e tua é a terra; o mundo e a sua plenitude tu os fundaste. Somos apenas mordomos, Sl 24:1 Do SENHOR é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam.

ALEM DISSO, ONDE ESTÁ ESCRITO NA BÍBLIA QUE NÃO É PARA DARMOS MAIS O DIZIMO?

Somos administradores. Mordomos e não donos. Deus quer de nós obediência e não desculpas. Fidelidade e não evasivas. Que atitude vamos tomar? Nosso coração está onde está o nosso tesouro. Se buscarmos em primeiro lugar o Reino de Deus, não vamos ter problemas com o dízimo.

Dizimar em graça é reconhecer Deus sobre tudo o que temos e sobre tudo o que somos, e então como o crente Abraão entregamos nosso dizimo aquele que sempre existiu de eternidade a eternidade.

Amém.