segunda-feira, 7 de junho de 2010

Lula cria Dia Nacional de Combate à Homofobia
Nesta segunda-feira 8 foi publicado decreto do presidente da República Luiz Inácio da Silva que cria o Dia Nacional de Combate à Homofobia, a ser lembrado em 17 de maio. Com isso, o calendário oficial brasileiro passa a registrar a data obrigatoriamente na lista das datas especiais.

O dia escolhido é o mesmo adotado pelo movimento LGBT internacional e diz respeito ao dia de 1990 em que a Organização Mundial da Saúde retirou a homossexualidade do rol de doenças. Em Brasília, o 17 de maio é também uma data oficial desde 2009.

BRASÍLIA - O dia 17 de maio foi instituído como Dia Nacional de Combate à Homofobia, a partir de decreto assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e publicado no Diário Oficial da União nesta segunda-feira. O ato do presidente atende a reivindicações de movimentos ligados à defesa dos direitos dos homossexuais.


O decreto foi assinado na última sexta-feira, às vésperas da 14ª Parada do Orgulho LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) que ocorreu no domingo, em São Paulo, com o lema "Vote contra a Homofobia".

O dia 17 de maio foi escolhido por ter sido nessa data, em 1990, que a Assembleia Mundial da Saúde, órgão máximo de tomada de decisão da Organização Mundial de Saúde (OMS), retirou a homossexualidade da Classificação Internacional de Doenças. Desde então, a data é celebrada internacionalmente como o Dia de Combate à Homofobia.

Publicada em 07/06/2010 às 16h45m  no site o Globo

3 comentários:

  1. Valeu pela visita ao meu blog, e a partir desse momento já faço parte do seu... E ao assunto postado, essa polêmica de homofobia ainda vai dar pano pra manga... eles são tão burros que o significado de homofobia é medo de homem... homo=homem... e fobia=medo...

    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. graça e paaz! já estou seguindo seu blog!

    esse lula não tem mais o que fazer já não basta a PL 122 para nos infernizar agora ele ainda quer dia contra a homofibia?

    Só Jesus!

    ResponderExcluir
  3. Valdeci, o seu texto é revelador. Estou te seguindo, passa no meu Blog e me siga também...

    Só pra polemizar mais este texto seu, vou colocar um texto do meu amigo Isaias Medeiros.

    Sempre que se toca no tema “relações homossexuais” este é logo tratado do ponto de vista prático. Quando alguém fala de parceiros homoafetivos, a primeira imagem que surge na mente da maioria das pessoas é dois homens nus se lambendo ou se penetrando. Não se considera o elemento “sentimento” em tais casos.

    A primeira coisa que as pessoas pensam quando ouvem falar em homossexuais é: “O que eles fazem na cama?” Porém, o mesmo não ocorre com heterossexuais. Quando ficam sabendo que um amigo (hetero) se casou ou está namorando não lhes ocorre pensar algo do tipo: “nossa, o que será que eles fazem entre quatro paredes??!!” Simplesmente entendem que o cara se apaixonou pela moça (e vice-versa) e decidiu tentar viver ao lado da pessoa querida, que lhe corresponde afetivamente, que o completa. Nada mais compreensível...

    Além disso, há o fato de essa imagem ser um tanto “antiestética” para muitas pessoas, de forma que o “desconforto visual” que a imagem causa faz com que o juízo de valor acerca da questão seja deturpado, desviado do racional para o “emocional”, para o “juízo das aparências”.

    Acontece que “antiestético” não é sinônimo de incorreto, vulgar ou imoral. Nem tudo o que alguns olhos não aprovam é realmente ruim, assim como o oposto é verdadeiro: “nem tudo o que reluz é ouro”. Grande parte do juízo de valor acerca dessa questão é de fato carregada de preconceito, pois se baseia numa série de imagens pré-concebidas a respeito de realidades que a maioria das pessoas desconhece por completo.

    O que faz as pessoas - sobretudo os cristãos - rejeitarem a homossexualidade é muito mais o preconceito de ordem moral a esse respeito do que o confuso dogma religioso que a "proibe". Aquilo que já se tem facilidade de menosprezar do ponto de vista estético ou moral é muito mais passível de acabar de ser condenado pela religião sob o estigma do "pecado".

    O que um homem hetero faz na cama com a sua parceira é diferente, mais digno ou moralmente correto do que o que dois homens ou duas mulheres fazem? Se você responder que "entre heterossexuais não há apenas sexo, mas também sentimentos" (e nas relações homossexuais, por consequência, só existe o "sexo pelo sexo") eu teria de questionar a sua verdadeira natureza, a saber: se você é Deus ou homem, pois a onisciência, ao que muito me parece é um atribuito somente divino. Conhecer o íntimo de cada pessoa e as tumultuosas conexões internas que fazem cada um gostar do que gosta e se sentir bem com aquilo que faz só cabe a Deus.

    Tanto heteros quanto homos e bissexuais são impulsionados pela energia do sexo. A única diferença é o "objeto" ao qual essa energia é direcionada. Tudo o mais não passa de especulação, preconceito e de julgamento estético e, portanto, aparente e parcial.

    Não quer dizer que aceito o que ele disse, mas vai ai um texto polemico.

    Abraços,
    Hubner Braz
    http://hubnerbraz.blogspot.com/

    Hubner Braz

    ResponderExcluir