terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Dicas de Homilética


   Dicas para Pregadores

        O propósito desta breve lista de sugestões homiléticas não é minimizar, sintetizar ou banalizar o estudo sério acerca da atuação do pregador no púlpito. O uso do púlpito e a postura do pregador diante dos ouvintes merecem estudo aprofundado tanto sob o prisma da autoridade espiritual de quem anuncia a Palavra, quanto dos aspectos que envolvem a comunicação verbal e gestual modernas.
       Não pense, portanto, que em cumprindo as "Dicas" o sucesso será imediato. Elas servirão mais para identificar deficiências do que superá-las. Por esta razão, ao reconhecer vícios no seu desempenho como pregador procure ajuda imediatamente, antes que os maus hábitos sejam incorporados a sua personalidade pública. E a um pregador desprestigiado, sobra-lhe somente um lugarzinho obscuro entre os de terceira linha.
         É possível mudar; melhorar é um desafio diário. Esforço pessoal, vontade de servir melhor ao Senhor e ao Seu povo, são alicerces que sustentam os bons propósitos do pregador evangélico sério em nossos dias.

DICAS

1. Extensão do Sermão
O Sermão deve ser curto ou longo? Como decidir entre os dois? Observe a fisionomia dos ouvintes, se eles aparentam cansaço e apatia é bom caminhar para a conclusão. O que é melhor? - Um sermão curto sem conteúdo, ou um sermão longo com profundidade bíblica? Nenhum dos dois. Observe o auditório!

2. Ilustrações
As ilustrações jocosas, alegres e descontraídas cabem melhor no início do sermão. Seja mais solene ao concluir. Use preferivelmente ilustrações verdadeiras, colhidas na experiência do dia-a-dia.

3. Dicção Correta
Comer os "s" finais e introduzir sons vocálicos refletem pouca cultura e desprestígio à língua portuguesa. Exemplos: Jesus, não Jesuis. Fomos, não fômu. ... e muitos outros.

4. Tom de Voz
Com sua voz o pregador denuncia sua convicção. Gritar e esmurrar o púlpito não convencem, nem escondem o caráter do pregador. Module a voz. Fale alto, baixo, rápido, vagarosamente. Voz monótona dá sono!

5. Anúncio do Texto Bíblico
Ao enunciar o texto bíblico seja claro quanto ao livro e preciso na referência. Aguarde até que o auditório tenha localizado o texto.

6. Aplicação Prática
Seja prático nas aplicações. O que é melhor dizer? - "Levemos Jesus ao mundo" (genérico), ou "Ao chegar em sua casa hoje, pegue o telefone, ligue para sua mãe que não é crente e diga-lhe: mamãe eu amo você e Jesus a ama também..."

7. Esboço do Sermão
Decore o esboço do sermão. Cada vez que o pregador deixa de "olhar no olho" dos ouvintes, parcela deles se desliga. Mantenha os ouvintes plugados!

8. Gestos
Os gestos do pregador reforçam os verbos. Gesticulação sem propósito denuncia o nervosismo do pregador, e não causa bom efeito nos ouvintes.

9. O Uso do Microfone
O microfone é um amigo do pregador! Não dê pancada nele antes de usá-lo. No caso de dificuldades em conviver com ele, faça um curso e aprenda a usar o recurso.

10. Autenticidade
Pregue, de preferência, os seus sermões. Pregue sermões de outros pregadores, quando desejar. Ao fazê-lo, diga a fonte. Não é feio omitir, é desonesto! Alguém descobrirá o plágio e você cairá em descrédito.

11. Apelo
Apele sem apelação. Diga claramente o que você pretende que o ouvinte faça em reação ao sermão recém apresentado. No caso de não haver manifestações , não ameace o auditório com "pragas infernais".

12. Expressão Facial
Mantenha uma fisionomia tranqüila. Não é preciso sorrir sempre... O auditório vê o sermão no semblante do pregador, antes de ouvi-lo através de sua voz.

13. Movimentação
Caminhar na plataforma é um bom exercício para o pregador e uma excelente maneira de arremessar o auditório para fora do sermão. Procure aquietar-se!

14. Clareza
Ao ler o texto básico do sermão, respeite a pontuação e enfatize os termos que serão explicados e aplicados durante a mensagem.
  
15. Emoção
O pregador pode chorar. Há ocasiões em que isto é inevitável durante o sermão. É espontâneo e natural, não mero artifício de comunicação. Mas, se o chorar se tornar um hábito do pregador é preciso averiguar a real origem dessa emoção, e sugere-se ao pregador que procure ajuda com profissional especializado.

16. Chavões
A grande massa evangélica produz a sua gíria. Chavões circulam no meio do povo como "axioma teológico". Cabe ao pregador fugir dessas expressões inócuas, tais como: "Amém, irmãos!" - "Uma bênção... Uma Maravilha!", "O toque de Deus", e outras . Usá-las no sermão reflete pobreza de exegese bíblica e falta de vocabulário.

17. Desculpas
Ao pregador não cabe o pedir desculpas pelo conteúdo da mensagem que foi, ou será apresentada. Desculpar-se não é bom nem antes, nem depois do sermão. A falsa humildade revela verdadeiro desleixo.

18 Tiques
O pregador, nervoso, repete o mesmo gesto. Leva a mão ao nó da gravata, pigarreia, arruma os óculos no rosto... Todo o gesto repetido desperta a atenção do ouvinte e desvia-o do sermão. Controle-se. Observe-se a si mesmo!
Antes que os adolescentes façam piadas de você!

19. Dirigindo-se a todos
Há templos com galeria, e em muitos templos outros o coral fica postado na plataforma atrás do pregador Temos assim uma dificuldade para o contato visual! Não raro o mensageiro se esquece destes dois segmentos do auditório, e em nenhum momento se quer dirige-lhes o olhar. Você não fará assim! Vire-se suave e cortesmente, e fale aos coristas. Olhe para o alto e demonstre que você reconhece a presença, e agradece a atenção dos presentes apinhados na galeria.      

20. O início do sermão
Os cinco minutos iniciais do sermão são cruciais, e dão duas certezas aos ouvintes.                                 A primeira: O pregador sabe o que vai dizer. Ele domina o assunto. (ou, não sabe o que dizer!)
A Segunda: O pregador conhece texto no qual vai pregar (ou, está usando o texto por pretexto).
Lembre-se: Você tem 300 segundos para justificar a sua presença diante da congregação!

 Fonte: Site pensador cristão
Extraído do CD-Rom “A BÍBLIA EM AÇÃO – Pregando com os mestres”, Ed. Vida Nova.



sábado, 5 de janeiro de 2013

Como se entende o Sexo para com o Casal que é Cristão, PODE TUDO?

      
Já ouvi Pastores renomados em suas mensagens de relacionamento dizendo que na ora do sexo vale tudo ou pode tudo, pesquisando sobre o assunto encontrei blogueiros também dizendo que na ora do prazer pode tudo, vale tudo, pois o que conta naquele momento é o amor de um para com o outro. Mas do ponto de vista bíblico é isso mesmo, esta prática esta correta? ou esses argumentos servem só para defender o egoísmo de alguns no momento do prazer.


  Gostaria que ao término do nosso estudo você deixasse o seu comentário dando assim a sua 
opinião sobre o assunto, pois o nosso intuito é ensinar a todos do ponto de vista Bíblico.

 O Sexo no ponto de vista Bíblico  
  O sexo é um dom que Deus dá às pessoas casadas para o prazer de ambos. A Bíblia diz em Provérbios 5:18-19 “Seja bendito o teu manancial; e regozija-te na mulher da tua mocidade. Como corça amorosa, e graciosa cabra montesa saciem-te os seus seios em todo o tempo; e pelo seu amor sê encantado perpetuamente.” 

A Bíblia recomenda que o romance e o dom de sexualidade sejam usados no contexto do casamento. A Bíblia diz em Hebreus 13:4 “Honrado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; pois aos devassos e adúlteros, Deus os julgará. ” A Bíblia diz em 1 Coríntios 7:3-4  “O marido pague à mulher o que lhe é devido, e do mesmo modo a mulher ao marido. A mulher não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim o marido; e também da mesma sorte o marido não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim a mulher.” 

Deus criou o sexo como parte do casamento. A Bíblia diz em 1 Coríntios 7:5 “Não vos negueis um ao outro, senão de comum acordo por algum tempo, a fim de vos aplicardes à oração e depois vos juntardes outra vez, para que Satanás não vos tente pela vossa incontinência.” Para que não causemos danos a nós mesmos, os desejos e as atividades sexuais devem ser mantidas sob o control de Cristo. A Bíblia diz em 1 Tessalonicenses 4:3-5 “Porque esta é a vontade de Deus, a saber, a vossa santificação: que vos abstenhais da prostituição, que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santidade e honra, não na paixão da concupiscência, como os gentios que não conhecem a Deus.” 

O sétimo mandamento proíbe o adultério. A Bíblia diz em Êxodo 20:14 “Não adulterarás.” O pecado sexual é destrutivo mesmo que não se vejam as consequências imediatamente. A Bíblia diz em 1 Coríntios 6:18 “Fugi da prostituição. Qualquer outro pecado que o homem comete, é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo.” 
Como começa o pecado sexual? A Bíblia diz em Mateus 5:28 “Eu, porém, vos digo que todo aquele que olhar para uma mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela.” 

A Bíblia condena o comportamento homossexual. A Bíblia diz em Romanos 1:26-27 “Pelo que Deus os entregou a paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural no que é contrário à natureza; semelhantemente, também os varões, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para como os outros, varão com varão, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a devida recompensa do seu erro.” 

A Bíblia proíbe o incesto. A Bíblia diz em Levítico 18:6 “Nenhum de vós se chegará àquela que lhe é próxima por sangue, para descobrir a sua nudez. Eu sou o Senhor.” 

A Bíblia proíbe a bestialidade. A Bíblia diz em Levítico 18:23 “Nem te deitarás com animal algum, contaminando-te com ele; nem a mulher se porá perante um animal, para ajuntar-se com ele; é confusão.” 

A Bíblia proíbe relações sexuais com uma prostituta. A Bíblia diz em 1 Coríntios 6:15-17 “Não sabeis vós que os vossos corpos são membros de Cristo? Tomarei pois os membros de Cristo, e os farei membros de uma meretriz? De modo nenhum. Ou não sabeis que o que se une à meretriz, faz-se um corpo com ela? Porque, como foi dito, os dois serão uma só carne. Mas, o que se une ao Senhor é um só espírito com ele."


A Bíblia condena o sexo oral e anal?


O modo natural é o sexo vaginal. A vagina tem forma, dimensões e elasticidade próprias para o coito; tem inervação capaz de despertar na mulher, o desejo e o prazer sexuais. No casamento monogâmico, a vagina não oferece risco de contágio infeccioso; é a via natural para o início de uma gravidez.

A boca e o ânus/reto, não apresentam inervação erótica; são fontes certas de infecção e não levam à gravidez. O sexo oral ou anal é egoísta porque, geralmente, só dá prazer ao homem. A Bíblia diz que é contra a natureza, contra a vontade de Deus. Não deve ser praticado, portanto.

Estamos vivendo dias semelhantes aos de Sodoma e Gomorra. As fantasias e aberrações sexuais atingiram o seu apogeu.. Essas alternativas sexuais são fruto do hedonismo, esta corrida louca em busca do prazer, tão características desta geração .

Sexo oral, embora tenha seus defensores ou aqueles que são tolerantes, não é recomendável do ponto de vista da saúde.

Os tecidos da cavidade bucal não têm condições de resistir à ação de micro-organismos que tem o seu habitat no canal vaginal ou na uretra masculina. Este comportamento sexual tem facilitado a transmissão de enfermidades venéreas transportadas agora para a boca, laringe ou faringe. Dentistas têm encontrado abcessos nas gengivas provenientes de bactérias próprias do aparelho geniturinário. A boca não foi planejada por Deus senão para as finalidades que já conhecemos. A psicologia e a psicanálise explicam tais fenômenos com base nos estágios do desenvolvimento psicossexual, confirmando o princípio bíblico na dimensão emocional e espiritual do ser humano.

Muito mais repugnante e abominável é o sexo anal. Ao criar o homem e a mulher, conforme lemos em Gênesis 1:27, o Criador fê-los cada um com sua anatomia e fisiologia próprias . Assim ,o ânus não foi feito para a finalidade sexual. A medicina condena tal prática. É fácil de entender. A mucosa anal favorece a proliferação de germes patogênicos, responsáveis pelas doenças sexualmente transmissíveis.

As esposas infelizes, abusadas e desrespeitadas por seus maridos com estes aberrativos e bestializados instintos, são vítimas de herpes, além de outras infecções graves. Para aquelas com tendências a hemorroidas  o problema é ainda mais sério .

Sangramentos, fissuras, estrangulamentos são comuns. Qualquer médico pode confirmar.

Lemos em Romanos 1:24 e 26 : “Pelo que também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si. Pelo que Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram ao uso natural, no contrário à natureza.”
Devemos esclarecer que Deus não é contra o sexo normal, dentro das fronteiras sagradas do matrimônio, mas há limites. Aqui está resumidamente a lista do que Deus condena de maneira absoluta e inegociável:

1. Deus é contra a pederastia, o lesbianismo, a pedofilia (sexo com crianças). Lev. 18: 22 . “Com varão não te deitarás, como se fosse mulher. Abominação é.”

2. Deus é contra a prostituição . I Tess. 4:3. “Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação, que vos abstenhais de prostituição.” Não haverá prostitutas dentre as filhas de Israel.” Deut. 23:17.

3. Deus é contra a bestialidade . “Não te deitarás com um animal, para te contaminares com ele, nem a mulher se porá perante um animal, para ajuntar-se com ele : é confusão.” Lev. 18:23.

4. Deus é contra o incesto, isto é, união sexual com parentes chegados : pai, mãe, madrasta, padrasto, irmão, irmã, tios, noras, genros, sogros, netos, (ler Lev.18).

5. Deus é contra o adultério. “Não adulterarás.” (Êx. 20:14. Ler ainda Mat.5:27 e 28).

6. Deus é contra o estupro. (Ler Deut. 22:25-29).

7. Deus é contra a fornicação. (Ler Apoc. 21:8).

8. Deus é contra a lascívia. “Mas, as obras da carne são.... lascívia significa: sensualidade, imoralidade, libidinagem, licenciosidade, imudícia.”

9. E finalmente Deus é contra os abusos e fantasias sexuais anormais, como já foi exposto.

                                 
                                          Que Deus abençoe a todos em Cristo Jesus!

Queremos ouvir você, deixe-nos o seu comentário qual a sua opinião a respeito do assunto!

Eleição e Predestinação

TEXTO: EFÉSIOS 1. 4,5 

Eleição . A escolha de Deus daqueles que crêem em Cristo é uma doutrina importante (ver Rm 8.29-33; 9.6-26; 11.5,7,28; Cl. 3.12; 1Ts. 1.4; 2 Ts. 2.13; Tt.1.1). A eleição (gr.eklegoe) refere-se à escolha feita por Deus, em Cristo, de um povo para si mesmo, a fim de que sejam santos e inculpáveis diante dEle (cf. 2 Ts. 2.13). Essa eleição é uma expressão do amor de Deus, que recebe como seus todos os que recebem seu Filho Jesus (Jo.1.12). A doutrina da eleição abarca as seguintes verdades:

(1)A eleição é cristocêntrica,isto é,a eleição de pessoas ocorre somente em união com Jesus Cristo. Deus nos elegeu em Cristo para a salvação (1.4). O próprio Cristo é o primeiro de todos os eleitos de Deus. A respeito de Jesus,Deus declara: “Eis aqui o meu servo, que escolhi” (Mt.12.18; Is.42.1,6; 1Pe.2.4). Ninguém é eleito sem estar unido a Cristo pela fé.

(2) A eleição é feita em Cristo, pelo seu sangue; “em quem (Cristo)...pelo seu sangue” (1.7). O propósito de Deus, já antes da criação (1.4), era ter um povo para si mediante a morte redentora de Cristo na cruz. Sendo assim,a eleição é fundamentada na morte sacrificial de Cristo, no Calvário,para nos salvar dos nossos pecados (At.20.28; Rm.3.24-26).

(3) A eleição em Cristo é em primeiro lugar coletiva,isto é, a eleição de um povo(1.4,5,7,9; 1Pe.1.1; 2.9). Os eleitos são chamados “o seu (Cristo) corpo” 91.23;4.12), “minha igreja”(Mt.16.18), “o povo adquirido” por Deus (1Pe.2.9) e a “noiva” de Cristo (Ap.21.9). Logo,a eleição é coletiva e abrange o ser humano como indivíduo,somente à medida que este se identifica e se une ao corpo de Cristo, a igreja verdadeira (Ef.1.22,23). 

(4) A eleição para salvação e a santidade do corpo de Cristo são inalteráveis. Mas individualmente a certeza dessa eleição depende da condição da fé pessoal e viva em Jesus Cristo,e da perseverança na união com Ele. O apóstolo Paulo demonstra esse fato da seguinte maneira: 

(a) O propósito eterno de Deus para a igreja é que sejamos “santos e irrepreensíveis diante dele” (1.4). Isso se refere tanto ao perdão dos pecados (1.7) como à santificação e santidade.  O povo eleito de Deus está sendo conduzido pelo Espírito Santo em direção à santificação e à santidade. (Rm.8.14;Gl.5.16-25). O apóstolo enfatiza repetidas vezes o propósito supremo de Deus (2.10; 3.14-19; 4.1-3,13,14; 5.1-18). 

(b) O cumprimento desse propósito para a igreja como corpo não falhará: Cristo a apresentará “a si mesmo igreja gloriosa...santa e irrepreensível” (5.27). 

(c) O cumprimento desse propósito para o crente como indivíduo dentro da igreja é condicional.Cristo nos apresentará “santos e irrepreensíveis diante dele” (1.4),somente se continuarmos na fé. A Bíblia mostra isso claramente: Cristo irá “vos apresentar santos,e irrepreensíveis,e inculpáveis,se,na verdade, permanecerdes fundados e firmes na fé e não vos moverdes da esperança do evangelho” (Cl.1.22,23).

(5) A eleição para a salvação em Cristo é oferecida a todos(Jo.3.16,17; 1Tm.2.4-6; Tt.2.11; Hb.2.9),e torna-se uma realidade para cada pessoa consoante seu prévio arrependimento e fé,ao aceitar o dom da salvação em Cristo (2.8; 3.17; At.20.21; Rm.1.16; 4.16). Mediante a fé, o Espírito Santo admite o crente ao corpo eleito de Cristo (a igreja) (1Co.12.13),e assim ele torna-se um dos eleitos. Daí, tanto Deus quanto o homem têm responsabilidade na eleição (Rm.8.29; 2Pe.1.1-11).

A Predestinação. A predestinação (gr.proorizo) significa “decidir de antemão” e se aplica aos propósitos de Deus inclusos na eleição. A eleição é a escolha feita por Deus, “em Cristo” ,de um povo para si mesmo (a igreja verdadeira). A predestinação abrange o que acontecerá ao povo de Deus (todos os crentes genuínos em Cristo).

 (1) Deus predestina seus eleitos a serem:

 (a) chamados (Rm.8.30); 
 (b) justificados (Rm.3.24; 8.30);
 (c) glorificados (Rm.8.30); 
 (d) conformados à imagem do Filho (Rm.8.29); 
 (e) santos e inculpáveis(1.4);
 (f) adotados como filhos (1.5);
 (g) redimidos (1.7); 
 (h) participantes de uma herança (1.14); 
 ( i ) para o louvor da sua glória (1.12; 1Pe. 2.9); 
 ( j ) participantes do Espírito Santo ( 1.13; Gl.3.14) e
 ( l ) criados em Cristo Jesus para boas obras (2.10).

(2) A predestinação, assim como a eleição, refere-se ao corpo coletivo de Cristo, isto é, a verdadeira igreja,e abrange indivíduos somente quando inclusos neste corpo mediante a fé viva em Jesus Cristo (1.5,7,13; At.2.38-41 16.31).

RESUMO. No tocante à eleição e predestinação, podemos aplicar a analogia de um grande navio viajando para o céu. Deus escolhe o navio (a igreja) para ser sua própria nau.Cristo é o Capitão e Piloto desse navio.Todos os que desejam estar nesse navio eleito,podem fazê-lo mediante a fé viva em Cristo. Enquanto permanecerem no navio, acompanhando seu Capitão,estarão entre os eleitos.Caso alguém abandone o navio e o seu Capitão,deixará de ser um dos eleitos. A predestinação concerne ao destino do navio e ao que Deus preparou para quem nele permanece. Deus convida todos a entrar a bordo do navio eleito mediante Jesus Cristo. 

  

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Conheça os Candidatos da Equipe "Amigos do Presidente" para CGADB



Lições Bíblicas 1º Trimestre de 2013



LIÇÕES 1º  TRIMESTRE 2013
Lições 1.o Trimestre 2013 
Elias e Eliseu:  Um Ministério de Poder para toda a Igreja

Sumário
Lição 01 - A Apostasia no Reino de Israel
Lição 02 - Elias, o Tisbita
Lição 03 - A Longa Seca Sobre Israel
Lição 04 - Elias e os Profetas de Baal
Lição 05 - Um Homem de Deus em Depressão
Lição 06 - A Viúva de Sarepta
Lição 07 - A Vinha de Nabote
Lição 08 - O Legado de Elias
Lição 09 - Elias no Monte da Transfiguração
Lição 10 - Há Um Milagre em Sua Casa
Lição 11 - Os Milagres de Eliseu
Lição 12- Eliseu e a Escola de Profetas
Lição 13- A Morte de Eliseu


Comentarista:   José Gonçalves - Pastor, Professor de Teologia, Escritor e Vice-presidente da Comissão de Apologética da CGADB; Comentarista das revistas de Escola Dominical da CPAD.